Plebiscito pode corrigir distorções do financiamento de campanhas

15 de agosto de 2014 at 9:16 pm Deixe um comentário

Mídia Ninja

PLEBIS~1

Consulta à população que será realizada entre 1º e 7 de setembro é vista como retrato mais fiel das mudanças no sistema político demandadas pela sociedade, em contraposição a reforma “de maquiagem” no Congresso

13/08/2014

Por Caio Venâncio

Do Sul 21

Diz o velho ditado que quem paga a banda escolhe a música. No atual mode­lo político brasileiro, que prevê a possibi­lidade de grandes empresas fazerem do­ações para candidatos, a situação não pa­rece ser muito diferente. Antes do pleito, o dinheiro chega para bancar cartazes, santinhos, cavaletes e militância paga. Depois, quando o assento no parlamen­to já foi conquistado, “surgem” os proje­tos de lei que beneficiam aqueles que via­bilizaram a eleição.

Para modificar este modelo, o Plebis­cito Popular por uma Constituinte Ex­clusiva e Soberana do Sistema Político, que será realizado na Semana da Pátria, em setembro, é visto como uma alterna­tiva factível por ativistas e sindicalistas.

No dia 6 de agosto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou a primeira pres­tação de contas parcial dos candidatos destas eleições. O frigorífico JBS-Friboi, a construtora OAS e a Ambev são respon­sáveis por 65% das doações computadas até o momento para as campanhas à Pre­sidência da República. Sozinha, a JBS doou R$5 milhões para as candidaturas de Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), além de R$ 1 milhão para Eduardo Campos (PSB).

No Rio Grande do Sul, a situação é se­melhante. Redes de supermercados, construtoras e até planos de previdên­cia já investiram quantias volumosas nos projetos que disputam o Palácio Piratini.

Financiamento público

Idealizador do projeto Donos do Con­gresso, que reúne em um site dados so­bre doações de campanhas, o servidor público Dão Garcia acredita que o atual modelo de financiamento eleitoral pre­judica a democracia brasileira. Os can­didatos dificilmente seriam eleitos sem estes artifícios. No entanto, conflitos de interesses surgem depois da votação.

“Quem patrocina cobra naturalmen­te um retorno em função da vantagem competitiva que possibilitou. No final das contas, nosso Congresso Nacional é mais resultado da ação dos financiadores do que das vontades do povo”, acredita.

Para ele, é um sistema que distorce a política, já que todo empresário inves­tiria em campanhas esperando algo em troca, que, no caso, seria a aprovação de determinadas leis e rejeição de outras.

“A lógica do investimento capitalis­ta é a lógica do lucro. O imposto sobre grandes fortunas, por exemplo, que es­tá até previsto na Constituição, não é regulamentado por isso. Em compen­sação, alterações no Código Florestal que expandem a fronteira agrícola e be­neficiam os latifundiários ocorrem com facilidade”, detalha.

Neste cenário, ele saúda a iniciativa dos movimentos sociais ao propor um Plebiscito Popular por uma Constituin­te que defina um novo sistema político. Para Dão, a ideia é mais interessante que uma reforma política chamada pelo atual Congresso, que poderia ser uma “refor­ma de maquiagem”.

“A reforma política é a mãe de todas as outras. É fundamental que ela acon­teça e implemente o financiamento pú­blico de campanha para que exista uma igualdade de condições entre os candida­tos, o que qualificaria nossa representa­ção”, defende.

Presidente da Federação dos Metalúr­gicos da CUT do Rio Grande do Sul, Jairo Carneiro conta que os 29 sindicatos que compõem a entidade entraram em acor­do e todos montarão comitês para a vo­tação do Plebiscito Popular, entre 1º e 7 de setembro. Mais do que a sede das en­tidades, o objetivo é levar a votação para a porta das fábricas, onde trabalham os cerca de 136 mil metalúrgicos vinculados à federação.

O sindicalista explica que, no momen­to, a mobilização ainda não é a ideal, pois em muitos locais a campanha sala­rial da categoria, iniciada em maio, ain­da continua.

“Vamos nos dividir e fazer um operati­vo semelhante ao de uma greve, indo de manhã cedo nas fábricas. É bom montar pontos de votação nestes lugares, pois, diferente do estudante, que às vezes po­de participar no bairro, no centro, o peão fica mais dependente desta urna próxi­ma do local de trabalho. Também fare­mos um jornal todo focado no plebisci­to”, anuncia.

A meta entre os metalúrgicos é obter entre 40 e 60 mil votos. “Vai depender da nossa mobilização, mas esse núme­ro é barbada, porque em cada fábrica são 1.000, 1.500 trabalhadores”, imagina. E completa: “Nosso povo gosta da ação di­reta, faz a greve, negocia, discute. Acho que vão abraçar esta ideia também.”

Carneiro é outro que defende o finan­ciamento público, bem como o voto em lista e que os mandatos pertençam aos partidos políticos. “Não dá pra fazer campanha com dinheiro de patrão. Te­mos que acabar com a picaretagem, com essa história de que o sujeito se elege, não cumpre promessas, muda de partido e segue com o seu mandato”.

Para ele, o atual modelo político im­pede a renovação da classe política, pois aqueles que já ocupam cargos sempre es­tariam em vantagem. “Se eu saísse da fe­deração para concorrer, por exemplo, te­ria que ficar três ou quatro meses sem salário. Eu iria viver de vento? Enquan­to isso, um deputado se candidata e con­tinua recebendo seus vencimentos nor­malmente. Com o financiamento público nós discutiríamos política em condições iguais”, sustenta.

Mais do que isso, os trabalhadores como um todo estariam sendo prejudi­cados pelas regras vigentes. A reivindi­cação histórica do movimento sindical de jornada de trabalho de 40 horas se­manais não sairia do papel justamente por isso. “Os empresários ameaçam re­tirar o financiamento, daí não aconte­ce. Nossa pauta não avança por isso”, lamenta.

Anúncios

Entry filed under: Debates, Política. Tags: .

Panfletagem do Psol Osasco com Alexandre Castilho Federal 5044 e Márcia Tavares Deputada Estadual 50650 Alexandre Castilho Deputado Federal 5044 participa do COMVOCAÇÃO evento anual da Diocese de Osasco e da Igreja Católica no Brasil em prol das vocações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: