PM reprime protesto contra demissões de 4 mil trabalhadores na Usiminas com bombas, tiros de borracha e gás

11 de novembro de 2015 at 5:24 pm Deixe um comentário

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

Bancarios-Santos-018_01

A Polícia Militar já estava concentrada no interior da empresa para reprimir os trabalhadores.

Apesar da mobilização contra as demissões na Usiminas desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (11) ter sido iniciada de forma pacífica, a situação fugiu do controle por volta das 6h30, quando policiais do 2º Batalhão de Ações Especiais (Baep) da Baixada Santista, juntamente com a Cavalaria e a Força Tática, abriram caminho à força na portaria 2 da Usiminas para a passagem de 15 ônibus com trabalhadores.

Os policiais utilizaram gás lacrimogêneo e tiros de borracha para liberar a entrada da empresa. Houve tumulto, para dispersar a multidão de servidores públicos e movimentos sociais presentes, preocupados com o impacto das demissões em toda a economia da Baixada Santista.

PM-Usiminas-001

A Polícia Militar já estava concentrada dentro da Usiminas, chegando a tomar seu café da manhã no refeitório da empresa. (Foto: G1)

Ricardo Saraiva Big, Secretário de Relações Internacionais da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, e Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e região, denuncia que a Polícia Militar do Estado de São Paulo já estava preparada dentro da empresa antes da chegada dos trabalhadores.

Segundo ele, o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) usa da violência de Estado para garantir o capital privado. “A PM dormiu e tomou seu café da manhã do lado de dentro da empresa. Ou seja, é o aparato do Estado prestando segurança privada para reprimir os trabalhadores.”

Ele relata que cerca de 50 viaturas, além da cavalaria, estavam se reunindo dentro da empresa.

A Prefeitura de Cubatão apoiou a manifestação e, por isso, publicou um decreto confirmando ponto facultativo para esta quarta-feira.

As prefeituras da região estimam que a demissão destes 4 mil trabalhadores atingirá 40 mil pessoas e impactará fortemente nas contas dos municípios.

Três sindicalistas foram detidos. Algumas pessoas se machucaram e o gás lacrimogêneo atingiu jornalistas. Trabalhadores, que estavam do lado de fora da empresa, também chegaram a passar mal durante o confronto.

Imagem obtida pelo site G1 mostra dezenas de policiais jantando no refeitório da Usiminas durante a madrugada de quarta-feira, antes do início da chegada dos manifestantes, às 6h da manhã, o que mostra claramente o conluio da empresa com o comando policial do governador tucano Geraldo Alckmin.

PM-Usiminas-002

Cavalaria se concentrando em frente à entrada principal (Foto: G1)

Anúncios

Entry filed under: Movimento Sindical. Tags: , .

Viviana Abud, da FSM: a questão de gênero é uma luta política que necessita de formação Nota da Intersindical em apoio às ocupações nas escolas estaduais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • Guilherme Boulos | Precisamos falar de justiça tributária
    Artigo publicado originalmente no site do IREE Vivemos um momento de encruzilhada. Acredito que não podemos mais fugir ou empurrar nossos problemas pra frente. A política de ajuste de Temer é a mesma que fracassa a olhos nus e se refugia no “socorro” do FMI na Argentina de Macri. É preciso apontar os problemas estruturais do […]
  • Nota pública: o Brasil diz não a Temer
    Na última semana o governo Temer completou dois anos de ataques à democracia, à soberania e aos direitos sociais. Sua agenda de retrocessos tem como alvos imediatos os direitos trabalhistas e previdenciários, o patrimônio nacional, a legislação ambiental e a capacidade de atuação do Estado, cuja soma coloca em questão os direitos da pessoa humana, […] […]
  • Projeto do PSOL na Alesp proíbe descarte de resíduos tóxicos na natureza
    A bancada do PSOL na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), composta por Carlos Giannazi, João Paulo Rillo e Raul Marcelo, apresentou nesta quarta-feira (23) projeto de lei que proíbe o descarte de resíduos tóxicos na natureza em território do Estado de São Paulo. A ideia da elaboração desta proposta de lei partiu de um […]
  • Executiva Estadual do PSOL SP aprova entrada do deputado João Paulo Rillo
    A Executiva Estadual do PSOL SP reunida neste sábado, 24.03, na sede do partido aprovou por 13 votos a 1, a entrada do Deputado Estadual João Paulo Rillo no PSOL. Nas redes sociais o deputado Rillo se manifestou em publicação com título Um Novo Caminho, no qual apresenta as razões da saída e um pouco das […]
  • Grande Ato em memória de Marielle Franco nesta terça 20.03 às 17h no Masp
    Marielle vive! Convidamos todas e todos, lutadoras e lutadores para um ato político, cultural e ecumênico na próxima terça, dia 20 de março, no vão livre do MASP – Av.Paulista, a partir das 17h. Será um dia de mobilizações nacionais, para transformar nossa dor e indignação em luta. Não podemos tolerar mais tanta violência. O […]

%d blogueiros gostam disto: