Michael Löwy: ‘Só crise econômica não explica ascensão da extrema-direita na Europa’

19 de maio de 2015 at 12:45 am Deixe um comentário

Postado: Brasil de Fato

Divulgação

MichleLowy_Divulgacao

De volta ao Brasil para relançar livro, sociólogo radicado em Paris analisa as origens e o impacto de onda ultraconservadora no continente europeu.

18/05/2015

De Patrícia Dichtchekenian

No Operamundi

“Acho que é a primeira vez desde os anos 1930 que há uma ascensão espetacular da extrema-direita na Europa, em quase todos os países do continente”, afirma o sociólogo marxista Michael Löwy, em entrevista a Opera Mundi. “E qual é a explicação? Geralmente, se fala na crise econômica. Isso, sem dúvida, é um fator importante, mas a crise não explica tudo”.

Um dos maiores pesquisadores das obras de intelectuais como Karl Marx, Leon Trotski, Rosa Luxemburgo e György Lukács, o especialista brasileiro radicado na França passou por São Paulo na última semana para promover a reedição do livro Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade (Ed. Boitempo, R$ 57, 288 págs), escrito em coautoria com o professor norte-americano Robert Sayre.
Na obra, Löwy parte de uma análise marxista do romantismo, não como escola literária, mas como visão de mundo contra a civilização moderna e industrial, reivindicando o resgate de valores do passado que se perderam com o progresso capitalista. Embora tenha sido escrito há 20 anos e faça referências desde Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) até Walter Benjamin (1892-1940), o livro permanece atual por tematizar novas alternativas de pensamento à era pós-capitalista.

“O fascismo tem raízes profundas na Europa. A globalização capitalista cria uma homogeneização econômica cultural que gera fenômenos de pânico identitários sobre questões nacionais, étnicas, religiosas que vão ao sentido da extrema-direita”, argumenta. “Mas não há uma só explicação. É um fenômeno complexo, que tem características diferentes em cada país”, completa o sociólogo.

Ademais, Löwy considera que o que agravou o cenário foi a adoção do que chama de “receituário de políticas neoliberais”, como a austeridade, por parte de partidos que representavam sindicatos de trabalhadores e setores da social-democracia europeia. “Isso então provocou um estado de ânimo de amargura, de desespero em setores culturais, mas que tem sido capitalizado pela extrema-direita, não pela esquerda”, acredita.

Grécia, Espanha e Portugal x Suíça e Áustria

Para o especialista brasileiro, outro motivo sustenta que a crise econômica não explica por si a ascensão da extrema-direita no continente europeu: o fato de que as nações mais atingidas pela crise — isto é, Grécia, Espanha e Portugal – são os três lugares onde a extrema-direita não conseguiu se instalar totalmente.

Pelo contrário: desde janeiro de 2015, o partido de esquerda Syriza está à frente do poder em Atenas. Por sua vez, o movimento progressista Podemos ganha cada vez mais espaço em Madri, desenvolvendo inclusive uma filial lusitana em Lisboa.

Na outra direção, Löwy destaca que países menos atingidos pela crise financeira — como Suíça e Áustria — são focos em que a extrema-direita ganhou mais espaço comparativamente. Nesses casos, parlamentares de legendas como do Partido Popular Suíço e do Partido da Liberdade da Áustria fazem declarações racistas e xenófobas cotidianamente dentro da agenda oficial desses governos.

Mas a crise não explica tudo. Há outros fatores históricos, como o colonialismo e o preconceito com povos como os ciganos, que ajudam a entender a expansão ultraconservadora. “A França é um país em que a mentalidade colonial ainda é muito forte. Passou por guerras coloniais violentíssimas, brutais e nunca conseguiu superar essa mentalidade”, aponta.

Aos olhos do sociólogo, contudo, essa onda de extrema-direita não é homogênea, mas apresenta pelo menos três modelos partidários diferentes: os que se proclamam diretamente neo-nazistas ou neo-fascistas (como o partido grego Aurora); os que possuem uma matriz fascista, mas que tentam modernizar um pouco seu discurso, deixando de fazer referência direta ao nazismo, mas mantendo o mesmo fundo intolerante (como o Frente Nacional, da família Le Pen, na França); além de partidos novos que têm caráter racista, xenofóbico e islamofóbico, mas sem raiz fascista (como o Ukip, no Reino Unido).

Para além dessas categorizações, Michael Löwy está interessado em reivindicar o que chama de romantismo revolucionário. Apesar do projeto marxista de emancipação pela via racional ter fracassado em diversos aspectos ao longo do último século, o sentimento de melancolia descrito em sua obra não deve ser entendido como uma resignação. “O pessimista não é um resignado”, diz o socólogo. “Já disse Benjamin em um texto de 1929: ‘O revolucionário é um pessimista. Ser revolucionário é organizar o pessimismo’”.

Anúncios

Entry filed under: Entrevistas. Tags: .

Qual a semelhança da Terceirização do Hospital Central de Osasco e a PL 4330 (Lei da Terceirização do Contrato de Trabalho)? Educadores da rede municipal de Itapecerica da Serra iniciam paralisação na sexta-feira (22)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: