Trabalhadores relatam piora no emprego com terceirização

9 de maio de 2015 at 1:13 pm Deixe um comentário

Postado: Brasil de Fato

Números do Dieese comprovam depoimentos de funcionários e mostram que terceirizados recebem até 27% menos, mesmo trabalhando em média três horas a mais que os efetivos

Por Fania Rodrigues,

Do Rio de Janeiro (RJ)

A lei da terceirização (PL 4330), que tramita no Congresso, é tema de grande polêmica nacional, que divide parlamentares, empresários e centrais sindicais. Para muitos especialistas e trabalhadores, o país está prestes a viver um dos maiores ataques contra a classe trabalhadora brasileira. Um deles é o engenheiro elétrico Eduardo Machado, de 55 anos, que trabalha há 36 anos na empresa elétrica Ampla e viveu na pele o processo da precarização.

Eletricistas_Divulga_C3_A7_C3_A3o_Ampla

Setor elétrico é o que registra o maior índice de acidentes de trabalho

“Na Ampla os empregados terceirizados trabalham em média 4 horas a mais e com um salário 40% menor. E não para por aí. O número de acidente envolvendo terceirizados é 92% maior que aqueles com efetivado. Com o complicador de que todos esses acidentes são graves e a maioria com vítimas fatais”, denuncia Machado, que também é presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Energia Elétrica de Niterói (STIEEN).

Atualmente, a Ampla fornece energia para mais de 2,8 milhões de clientes residenciais, comerciais e industriais, em 66 municípios do Rio de Janeiro, que representam 73% do território do estado. A Região Metropolitana de Niterói e São Gonçalo e os municípios de Itaboraí e Magé concentram a maior parte dos clientes da distribuidora. Dos 9 mil funcionários da empresa, pelo menos 8 mil são terceirizados, segundo Machado.

Entre as principais causas dos acidentes, o engenheiro da Ampla aponta “a alta rotatividade dos trabalhadores devido a péssimas condições de trabalho e os baixos salários, a falta de capacitação, o baixo nível técnico dos contratados e a exigência cada vez maior de cumprimento de metas”, destaca.

O setor elétrico é o que registra o maior índice de acidentes de trabalho. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) a taxa de mortalidade entre os terceirizados, nas empresas de distribuição energia, chega a ser três vezes superior.

Atraso

Os dados divulgados pelo Dieese mostram que os terceirizados recebem até 27% menos, mesmo trabalhando em média três horas a mais que os funcionários efetivos. Outra estatística, dessa vez do Ministério do Trabalho, mostra que a cada dez acidentes de trabalho oito envolvem terceiros. Isso porque as empresas economizam em equipamentos e procedimentos de segurança com o objetivo de lucrar mais.

No entanto, segundo alguns deputados federais, principalmente dos partidos conservadores, como PSDB, PSD, PR, DEM e Solidariedade, entre outros, a PL 4330 vem apenas regular o setor. Esse argumento é contestado por sindicalistas. “A terceirização existe desde 1990 e vai bem, obrigado. O que querem agora é ampliar isso e atingir setores que ainda não podem terceirizar suas atividades principais, que também chamamos de atividade fim”

Anúncios

Entry filed under: Movimento Sindical. Tags: .

Senado abre enquete sobre PL 4330. VOTE CONTRA o projeto de terceirização! Marx se une a proletários do século 21 em minissérie argentina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: