Ativistas prestam solidariedade ao povo Guarani Kaiowá

17 de janeiro de 2014 at 6:45 pm Deixe um comentário

Estados do Brasil: Mato Grosso do Sul

CACIQU~1

Luana Luizy

"Sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias.

Deus, mesmo, se vier, que venha armado" Guimarães Rosa

17/01/2014 – Por Luana Luizy – Postado: Brasil de Fato

"Não morreremos educadamente", esse foi o slogan que levou 30 ativistas e independentes de Brasília rumo ao Mato Grosso do Sul, no último dia 6 de janeiro, com objetivo de prestar solidariedade ao povo Guarani Kaiowá. O grupo se chama "Brigada em Solidariedade aos povos Guarani Kaiowá". 

"Tivemos nas ruas no ano passado e acreditamos que a luta na cidade se soma à luta no campo", aponta Thiago Ávila, um dos participantes da brigada. O primeiro dia da viagem contou com visita na Terra Indígena (TI) de Água Bonita, localizada na periferia de Campo Grande. Na aldeia vivem atualmente os povos Terena, Guató, Kadiwéu, Guarani e Kaiowá. Apesar de terem o reconhecimento de 36 hectares no cartório, os indígenas habitam atualmente apenas 14 hectares espalhados em 62 casas.

GuaraniKaiowaafoto-2_0

Ativistas ajudam na construção da casa de reza na aldeia Taquara-MS

Foto Luana Luizy

Como forma de acelerar a demarcação da terra pela Fundação Nacional do Índio (Funai), os indígenas ocuparam mais cinco hectares." Percebemos que vários outros movimentos sociais também sofrem com a falta de reconhecimento de suas terras, mas pra mim o sofrimento é um só", afirma o cacique Nito Nelson Kaiowá.

Durante a roda de conversa na aldeia de Água Bonita, o grupo discutiu a diferença entre os conceitos de "reserva" e "aldeia".  Após a Guerra do Paraguai houve o reajuste de fronteiras e terras na região do pantanal e muitos indígenas que estavam dentro de territórios reivindicados por latifundiários foram dispersados e confinados em reservas.

Então o conceito de reserva foi criado, um espaço administrativo para retirar os indígenas de seus territórios de origem, o propósito era colonizar os indígenas, prepará-los para trabalhar nas fazendas, urbanizá-los. No Brasil o projeto foi administrado por Marechal Rondon.

Após a visita em Água Bonita, a brigada seguiu para a aldeia de Marçal de Souza, também em Campo Grande.  Habitada por indígenas da etnia Terena, a ocupação na Marçal de Souza começou em 1995, a área estava prevista para Funai construir sua sede administrativa, com o passar dos anos nada foi feito, foi aí que os indígenas decidiram ocupar a área. Hoje a aldeia conta com uma escola e um memorial de cultura indígena, a 1° cacique mulher do Brasil também vive na aldeia, dona Enir Terena.

Apesar do reconhecimento da área, os indígenas da região sofrem com falta de uma educação escolar que contemple a cultura e língua dos Terena, além da falta de acesso à moradia e saúde. "Precisamos de uma escola tradicional indígena, atendimento na saúde indígena nos órgãos como a Secretaria de Saúde Indígena (Sesai) mais voltada para os indígenas. Atualmente vivem 10 mil indígenas em Campo Grande, podemos colocar que aí 70% reivindicam habitação. O espaço do memorial também precisa ser mais utilizado pela comunidade", reitera Sidney de Albuquerque, jornalista Terena.

Durante a jornada, os brigadistas puderem desmitificar a visão do índio romântico e perceber que cultura é um processo dinâmico. Os indígenas dentro da cidade não deixam de ser mais ou menos índios por isso. "O homem branco come mandioca, mas ninguém vai lá e diz que ele está deixando de ser branco por comer mandioca, tradição que é herdada dos indígenas, mas quando um índio tá consumindo algum produto tecnológico todos caem em cima dele pra dizer que ele tá deixando de ser índio", comenta o jornalista Rafael Abreu.

Dourados

"A reserva de Dourados é talvez a maior tragédia conhecida na questão indígena em todo o mundo", vice-procuradora geral da República, Débora Duprat.

Indígenas da aldeia de Água Bonita- MS pedem
aceleração da demarcação da terra Foto: Luana Luizy

GuraniKaiowaafoto-3_0

Quem chega na cidade de Dourados logo percebe as oligarquias do campo que dominam a cidade, rodeada por usinas de álcool e campos de soja, a região parece esconder uma triste e dura realidade: O maior quadro de confinamento indígena e um dos contextos mais graves de miséria do país. A cidade também registra um dos maiores casos de violência contra os povos indígenas, além de casos de suicídio e alcoolismo.

A visita na aldeia de Jaguapiru só comprova o quadro, logo no caminho as marcas de destruição de uma pedreira dentro da terra indígena já revelam o clima desolador. "Vi que vocês tiveram exploração de uma mineradora aqui na aldeia, queria saber como isso tem afetado o cotidiano de vocês desde então?", questiona Henrique Dias participante da brigada.

"Já fomos ameaçados. Meu véio ficou surdo por causa da pedreira. A explosão é muito grande… parece que vai rachar a terra. Eu trabalhava e nunca parava, fazia meu artesanato, aprendi com minha mãe, mas agora não posso trabalhar bem, meu braço começa a formigar e preciso parar de trabalhar. Meu ‘véio’ ficou surdo, não vai ouvir mais nunca na vida dele", lamenta dona Floriza Souza da Silva Guarani Kaiowá.

Dona Floriza já sofreu um acidente devido a explosão da pedreira e afirma que foi arremessada pelo impacto. Os indígenas afirmam que as atividades da mineradora Santa Maria LTDA começou a partir de 1970, desde então ela tem provocado danos ambientais e afetado o dia-dia dos povos indígenas.

Para saber mais confira o documentário: Flor Brilhante e as Cicatrizes da Pedra

Guerreiras

O protagonismo das mulheres Guarani Kaiowá é percebido na sua autonomia. Em Dourados existe uma Associação de Mulheres Indígenas que vive de doações e oferece cursos de artesanato a indígenas. "Muitas vezes a imagem que passa lá fora é a de que o índio só quer viver de cesta básica, nós não queremos viver de cesta básica , mas queremos condições para termos nosso próprio sustento", reitera a cacique Elenir Guarani Kaiowá.

Taquara e a luta pela terra

"Sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias.

Deus, mesmo, se vier, que venha armado" Guimarães Rosa

Guaranikaiowaafoto-4

Indígenas da aldeia de Jaguapiru, em Dourados- MS
sofrem com as atividades de uma mineradora
dentro de suas terras Foto: Luana Luizy

A aldeia indígena de Taquara encontra-se a pouco mais de 10 km do município de Caarapó, no sul do estado de MS. Lá, os Guarani Kaiowá travam luta diária pelo reconhecimento de sua terra.  Em 2003, o cacique Marcos Verón foi morto brutalmente por agressores contratados por fazendeiro na região.
O monocultivo da soja e cana-de-açúcar tem provocado a especulação e degradação em cima das florestas e terras indígenas no Mato Grosso do Sul, só em 2007 a 2012 foram construídas 27 usinas de álcool no estado. A aldeia dos Guarani Kaiowá em Taquara é um caso bastante emblemático nessa questão, rodeada por canaviais, os indígenas ainda aguardam homologação da terra.

Em maio de 2013, os Guarani Kaiowá da aldeia Taquara decidiram retomar cerca de 300 hectares como meio de acelerar a regularização da área. "O ministro esteve aqui na área, mas foi priorizado a terra dos Terena. A gente não sabe como o governo vai fazer em relação ao fazendeiro. Vai demorar pra sair, enquanto isso tem os arrendatários que ficam explorando terra indígena", afirma a liderança indígena Ládio Veron, filho do cacique morto Marcos Veron.

Anúncios

Entry filed under: Denúncias. Tags: .

Maranhão: sistema penitenciário entrou em colapso “Rombo da previdência”: governo favorece o capital punindo os trabalhadores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: