As próximas batalhas nas ruas do Brasil

3 de julho de 2013 at 3:15 pm Deixe um comentário

foto_mat_42478Depois de sair vitorioso das mobilizações, o Movimento Passe Livre estuda, agora, como se fará a redução a zero das tarifas e, depois, a reforma urbana. Será aí, em torno dela, que se travará a batalha entre os que governam este combalido Estado, os que pretendem empenhar-se em uma Política de oposição para alcançar o poder do Estado e os que pregam a democracia direta nas ruas.

Por Oliveiros S. Ferreira*

 

De repente, não mais que de repente, um raio no céu azul. O trovão foi estrondoso o suficiente para abalar a confiança em nossa capacidade de entender e explicar os fatos. Apesar disso, é necessário fazer um esforço intelectual para buscar compreender um movimento que não apenas abalou − sem causar danos irreparáveis nela − as estruturas políticas tradicionais, como, o mais importante, nosso conhecimento das coisas.
Tentemos entender o que se passou.
Se o que vemos é um fato social, deve ser tratado como “coisa”, diria Durkheim. As coisas devem ser examinadas antes de tudo por seus aspectos exteriores.
Como os representantes do Movimento Passe Livre disseram e continuarão dizendo, esse movimento resultou da ação no tempo de uma organização horizontal. Isso significa que nele não há hierarquia, neste sentido de que não há um centro diretivo que traça estratégias, define objetivos e orienta quem a suas idéias adere.
A idéia de “organização horizontal”, porém, é uma contradição em termos. Sim, porque, de início, houve quem imaginasse fazê-la assim e em torno de sua idéia de como as coisas deveriam ser feitas reuniu outros, que o apoiaram.
Houve, portanto, uma organização responsável pela convocatória dos movimentos até a última sexta-feira, 21. Não apenas ela, contudo. Não é logicamente compreensível que 70 mil pessoas tenham saído às ruas – e, depois, muitos mais − porque uma organização e apenas uma (horizontal que seja) as convocou para manifestar-se. Se o Passe Livre convocou as manifestações, outras organizações também o fizeram, usando os mesmos recursos virtuais. A evidência disso está na decisão do Passe Livre, sexta-feira, 21, de não mais convocar manifestações porque elementos conservadores se infiltraram nas anteriores − e tudo indicaria que o recuo se deveu ao grande número de “conservadores” que foram às ruas para reclamar seus direitos…
Disso tudo se conclui que as manifestações foram organizadas por diferentes “comitês diretivos”, cada qual perseguindo seus propósitos. Da mesma maneira que não se deverá afastar a hipótese (mais que isso, a constatação da realidade das coisas!) de que aos que atenderam às convocatórias juntaram-se outros que, de repente, não mais que de repente, sentiram chegado o momento de pôr para fora aquele amargo sentimento de que estavam sendo tratados como cidadãos de quinta categoria nos hospitais, no transporte, nas escolas públicas… e a consciência clara de que havia corrupção!!!
É preciso ter presente, na análise de acontecimentos dessa importância, que estamos diante de um fato social que indicaria, citando o velho Trotski, um “salto na consciência coletiva”, produto do cansaço de centenas de milhares de brasileiros. As massas − tomemos a palavra em seu sentido mais amplo, de magnitude − a rigor só se movem quando levadas pelo amargo sentimento de não suportar mais o status quo.
A velha e boa Sociologia, se não explica como se dá, em cada um de nós, a passagem de um estado individual de apatia (que não é “tédio”, tal como alguns cientistas políticos a querem explicar) para uma ação coletiva, preocupa-se com buscar explicar os fenômenos coletivos que, de repente, transformam a realidade fazendo uso da noção de “correntes sociais” ou de “correntes livres do psiquismo coletivo”. São correntes de opinião e sentimentos “livres” porque não há norma social alguma que os regule. No seu quefazer cotidiano, “A” transmite a “B” sua insatisfação e seu desassossego. “B” não só considerará o que ouve de “A” como acrescenta à conversa o seu próprio desassossego e sua própria insatisfação, que já havia considerado em conversas tidas com “C”. E “A” considerará o que ouvir de “B”. As insatisfações e o desassossego de “A” e de “B” continuarão sendo os mesmos, mas já estarão transformados por um fenômeno de causação circular. Um bom dia, insatisfações e desassossegos transformam-se em revolta coletiva, e os indivíduos romperão os padrões de comportamento expressos nos usos e costumes cristalizados nas organizações sociais, criando símbolos novos que espelham o somatório das insatisfações e desassossegos de todos.
A história nos mostra alguns desses símbolos: o barrete frígio na Revolução Francesa, a foice e o martelo associada à bandeira vermelha na Russa, a cucaracha na Mexicana. E se quisermos ficar nos exemplos tupiniquins, convém lembrar a “vassoura” que simbolizou o movimento janista em 1953, 1954 e 1960 − sendo conveniente assinalar que, em 1953, a vassoura vinha associada a uma palavra de ordem: “revolução do tostão contra o milhão”, que desapareceu.
Que símbolos novos se vêem em todos os movimentos que perturbam o marasmo no Brasil, hoje? O único símbolo que se viu foi a Bandeira brasileira, nada mais. Havia cartazes com reivindicações e afirmações tipo “O Gigante despertou” − mas palavras de ordem de incentivo ou de reivindicação não são símbolos. Símbolo novo, indicativo do que pode distinguir este movimento atual de qualquer outro, não houve. Se o Passe Livre recuou porque percebeu “conservadores” nos movimentos, enganou-se na avaliação − porque simbolicamente os movimentos são conservadores já que aquilo que os símbolos comuns de Norte a Sul traduziram até agora é simplesmente a pertença ao Brasil. Mas, atenção: há os que insultam a Bandeira e pretendem acabar com o “nacionalismo”. Merecem consideração à parte.
Ainda que a horizontalidade da organização permita que se ouçam muitas vozes que traduzem o desejo de outras melhorias públicas além da redução da passagem nos transportes coletivos, a idéia de organização horizontal como expressão legítima (e única) da democracia é, impõe-se reconhecer, a negação da Política − como sempre foi entendida seja por liberais, fascistas e comunistas. A Política, desde sempre, fez-se em sociedades desiguais, em que há dirigentes e dirigidos. As organizações políticas, igualmente, possuem um centro diretivo com autoridade suficiente sobre aquilo que chamamos de “base” para traçar objetivos e estratégias que definem interesses sociais, econômicos, quaisquer que sejam – exceto os que se confundam com a procura de vantagens pessoais. A Política, essa exige que todos os que querem transformações sociais, econômicas ou políticas tenham um objetivo. O que se procura na Política é a conquista do Poder de Estado, pois será a partir dele que será possível realizar ações no campo da economia e da organização social que favoreçam os vencedores.
Desde a Revolução Francesa, para não mais longe, os que pretendem fazer Política organizaram-se em Partidos − à direita ou à esquerda, como é a tradição que veio de 1789. Haverá, sempre, um Partido a traçar os objetivos a serem atingidos a partir da tomada do poder e as estratégias para alcançá-los. Em um jogo que não é de soma zero, os que triunfam cuidam de não excluir os vencidos, acenando-lhes com a possibilidade de, amanhã, conquistarem o poder. No jogo de soma zero, os perdedores são excluídos do Estado. Os jacobinos mandavam os “inimigos da Pátria” para a guilhotina. Os bolchevistas, sob Stalin, para o Gulag. Os nazistas, para os campos de concentração ou extermínio. Na Guerra Civil espanhola, ambos os lados fuzilavam seus adversários: não havia lugar para eles no Estado.
Chegar ao Poder de Estado para fazer que o Estado pereça (!) depois de longo processo foi a proposta dos que formaram na velha Social-democracia ou até mesmo, enquanto proposta, no Bolchevismo. Só os Anarquistas, os de velha e boa tradição, sonharam com o desaparecimento do Estado pela ação das massas ou, no mito soreliano, pela greve geral. E houve os que acreditavam que a violência era a única maneira de chegar ao poder. Foi a violência contra os adversários ou supostos inimigos do “Partido” que marcou a marcha ascendente de Mussolini e Hitler ao poder.
A ausência de outro símbolo senão a Bandeira, que significa? Que as insatisfações e os desassossegos dos que formam nas multidões não sofreram as transformações possíveis pela causação circular a ponto de criar novas formas de sociabilidade, novos valores a serem traduzidos em ações políticas concretas: a Revolução proletária, ou o predomínio da raça ariana, ou o triunfo do Estado sobre a Nação e o Indivíduo como na doutrina fascista.
A ausência de símbolos não significa, porém, que os que se reuniram não chegaram a seu limite de aceitação do status quo. Já não o aceitam mais, pelo menos nas palavras de ordem que gritam a todo instante. Mas os que se dedicaram a comparar os atuais movimentos com outros, deveriam deter-se em um momento na crise de 1968 na França. O General De Gaulle manteve-se calmo diante do quebra-quebra, designando-o com palavra chula, que um liberal argentino do século XIX traduziria por “mazorca” (baderna). Classificou-o assim até o momento em que a Renault entrou em greve. Então, as coisas mudaram porque às agitações de Paris juntou-se a ação de parte da massa operária. Que fez? Foi à Alemanha assegurar-se do apoio do Exército francês ali estacionado sob o comando do General Massu (seu adversário na Argélia em 1958), dissolveu a Assembléia Nacional e convocou eleições gerais. O movimento murchou…
Chamo atenção para Paris, 1968, para que se possa avaliar com um mínimo de distorção o que aconteceu e prever, com um mínimo de desvio do Norte, o que pode vir a acontecer, se acontecer. O recuo do Passe-Livre indica que outros agrupamentos reunidos na dita organização horizontal poderão convocar novas manifestações − agora para pôr à prova a capacidade de resistência passivo-ofensiva das forças de segurança – mobilizando ainda quem se mobilizou pela redução do preço das passagens e quer mais que isso. Para que finalidade? Levantar o proletariado? O mesmo trabalhador que foi impedido de chegar ao trabalho? Comover, levando-os a participar, outros segmentos da dita classe média tradicional, cujos membros tiveram dificuldade de chegar a casa com as ruas e estradas bloqueadas ou de pegar um avião? Atenção! Nas redes sociais, há convocações a que se organize a periferia (lembrando movimentos menores de bloquear ruas que aconteceram em algumas regiões da periferia) na “luta de classes” contra os “fascistas” e, isto o mais grave, outros apelos, de sentido diferente, para que os liberais e anticomunistas se armem para impedir o golpe comunista… São apelos para manter Dilma no poder, uns; para que ela saia, outros!!!
Não há dúvida de que os milhares de cidadãos que foram às ruas encontraram a maneira (pacífica ou violenta, não importa agora) de extravasar sua raiva, se assim podemos dizer. Que pretendiam, contudo, os portadores de cartazes? Que não fosse votada a PEC 37, que acabasse a corrupção, que houvesse transportes coletivos de qualidade pelo menos razoável e hospitais públicos dignos, que os partidos políticos não se intrometessem nas manifestações − e políticos e analistas já falam em reforma político-partidária − e quantas coisas mais ocorressem a este ou aquele indivíduo como forma de dizer “não agüento mais”. Nada mais que isso − o que significa que o movimento, não tendo símbolo que traduza o que de fato se combate, não tem Inimigo. E não o tem porque não há um Partido que proponha alguma coisa que se considere viável, nem que seja para depois de amanhã… Até agora!
O Movimento Passe Livre recuou − depois de sair vitorioso. Vitorioso não apenas porque as passagens no transporte público e privado foram reduzidas, mas porque pôde comprovar que sua tática foi a correta: a violência (a massa na rua é uma forma de violência passiva) conseguiu que os governantes voltassem atrás. Provou, assim, que é possível fazer que o Estado se transforme em Governo para administrar as coisas desde que o Povo assim o deseje e reclame nas ruas, perturbando o sossego dos bons burgueses que nos governam. Estuda, agora, como se fará a redução a zero das tarifas e, depois, a reforma urbana. Será aí, em torno dela, que se travará a batalha entre os que governam este combalido Estado, os que pretendem empenhar-se em uma Política de oposição para alcançar o poder do Estado e os que pregam a democracia direta nas ruas. Até lá, a “classe política” (e Dilma é seu representante maior) cuidará de colocar gases e esparadrapo nas feridas das instituições, votando às pressas reformas sobre mobilidade urbana, Partidos etc. Reformas que serão votadas pelos mesmos que, tudo indica, mereceram o repúdio não nas urnas, mas nas ruas.
É a forma tupiniquim-institucional da democracia direta ou, como diria Lampeduzza, a maneira de fazer a revolução para que tudo continue como está?
*Publicado originalmente em http://www.oliveiros.com.br/

Anúncios

Entry filed under: Notícias. Tags: .

Fora Rede Globo em Fortaleza Ato na Paulista – Intersindical na luta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: