Vermelhas serão as rosas em que tuas cinzas nascem*.

9 de março de 2013 at 1:03 pm Deixe um comentário

Somos todos Chávez

O dia 5 de março, quando o comandante Hugo Chávez se despediu de todos nós, ficará para a história mundial como uma data a ser lembrada por todos os povos, em especial da América Latina. Em nosso continente, Chávez foi o principal dirigente de uma revolução socialista, ainda em curso, que o imperialismo se esforça tanto em aniquilar. O comandante é parte de um enorme movimento popular em seu país, que há muitas décadas busca construir uma sociedade de novo tipo, uma sociedade socialista. Sua importância como liderança política não se restringe à um país localizado entre o Norte da América do Sul e o Mar do Caribe, mas se estende pelas terras latino-americanas e se espalha de Leste à Oeste e de Norte à Sul do nosso planeta.

Hugo Chávez deixa um enorme legado ao povo venezuelano, ao implementar programas e políticas sociais que a grande maioria dos trabalhadores venezuelanos jamais teriam acesso se a revolução bolivariana não irrompesse. Através de programas sociais, como as chamadas "misiones", a revolução fez chegar aos mais pobres educação, com a erradicação do analfabetismo, saúde, principalmente com convênios com Cuba, alimentação, com o fim da carestia, e moradia popular. Na economia, vinha promovendo a estatização de diversas empresas estratégicas, nacionais e estrangeiras, na área de energia e produção, além de criar outras empresas públicas e estatais.

Chávez se transformou no protagonista da construção do socialismo na Venezuela, resgastando os clássicos do marxismo e do socialismo científico e incorporando características locais, com as contribuições dos líderes latino-americanos, em especial Simón Bolívar e José Martí.

Hugo Chávez teve o mérito de unificar as diversas correntes da esquerda revolucionária venezuelana, construindo um processo de aprofundamento da formação política das lideranças e da população e, por outro lado, agindo com unidade de ação nos momentos de divergências pontuais.

Chávez também deixa um legado importante para a América Latina, na medida em que conseguiu unificar e dar um novo horizonte à esquerda revolucionária, deixando suas ideias na memória do povo latino-americano ao lado de líderes como Che Guevera, Salvador Allende, Emiliano Zapata, entre outros.

Chávez fez da integração latino-americana e caribenha o núcleo de sua política internacional. Foi ator principal na derrubada da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), iniciativa dos EUA para ampliar sua hegemonia. O governo foi propulsor de três grandes iniciativas na América Latina, a criação da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), Alba (Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América) e Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Carirbenhos), promovendo a integração solidária e soberana entre os povos, com foco na autodeterminação de cada país.

Mesmo no comércio entre os países vizinhos, a relação foi baseada no intercâmbio com base nas necessidades e possibilidades de cada país. Através da Unasul, Chávez promovia a criação do Banco do Sul e do Sucre (Sistema Único de Compensação Regional de Pagamentos), uma espécie de moeda para o comércio entre os países da Alba, que abre caminho no mundo econômico e financeiro regional.

A unidade política, econômica e ideológica com Cuba, certamente, foi uma das políticas de integração mais destacadas de seu governo com outro povo irmão latino-americano, rompendo o criminoso bloqueio econônomico imposto pelos Estados Unidos. A Venezuela hoje é o principal parceiro de Cuba em todos os aspectos. Da mesma forma, Cuba é a o principal parceiro da Venezuela. É uma inspiração à todos governos progressistas de nosso continente.

Na comunicação, Chávez se tornou uma referência para as lideranças populares, desmontando os monopólios de empresas de comunicação de seu país, que agiam mais como partido político dos capitalistas do que como empresa de comunicação, e incentivando o surgimento de meios de comunicação públicos, estatais e comunitários. A criação da TeleSur, uma empresa multi-estatal de comunicação entre países progressistas, é um marco na comunicação social das últimas décadas na América Latina.

Ao mundo, Chávez também  deixa como herança a luta antiimperialista, na qual a revolução bolivariana sempre se destacou, ao denunciar as agressões imperialistas tanto bélicas como econônicas. O comandante construiu novas pontes com países diversos de todos os continentes, reeditando o movimento dos países não alinhados. Na última reunião de cúpula dos chefes de Estado desse movimento, em Havana (Cuba), os governos de Hugo Chávez e Evo Morales (Bolívia) receberam respaldo e tiveram papel de destaque.

Hugo Chávez não é um produto de marketing, mas resultado de um processo revolucionário, que poderá perdurar na Venezuela, mantendo-se a unidade dos revolucionários venezuelanos, e sem intervenção imperialista. Esse é o desejo da Associação Cultural José Martí de Santa Catarina: que o povo venezuelano possa continuar construindo, com soberania e autodeterminação, a revolução socialista. Vamos continuar solidários aos trabalhadores venezuelanos e a disposição para qualquer necessidade, rechaçando qualquer tentativa de intervenção e desestabilização imperialista contra a soberania popular.

Ao lado do libertador Simón Bolívar, Hugo Chávez continuará vivo na memória coletiva dos povos da América Latina e do mundo. Continuará despertando os sentimentos mais nobres e iluminando os ideais de cada revolucionário.

Viva Hugo Chávez hoje e sempre!

Viva a Revolução Bolivariana!

Associação Cultural José Martí de Santa Catarina

*Un canto para Bolívar

PADRE nuestro que estás en la tierra, en el agua, en el aire

de toda nuestra extensa latitud silenciosa,

todo lleva tu nombre, padre, en nuestra morada:

tu apellido la caña levanta a la dulzura,

el estaño bolívar tiene un fulgor bolívar,

el pájaro bolívar sobre el volcán bolívar,

la patata, el salitre, las sombras especiales,

las corrientes, las vetas de fosfórica piedra,

todo lo nuestro viene de tu vida apagada,

tu herencia fueron ríos, llanuras, campanarios,

tu herencia es el pan nuestro de cada día, padre.

Tu pequeño cadáver de capitán valiente

ha extendido en lo inmenso su metálica forma,

de pronto salen dedos tuyos entre la nieve

y el austral pescador saca a la luz de pronto

tu sonrisa, tu voz palpitando en las redes.

De qué color la rosa que junto a tu alma alcemos?

Roja será la rosa que recuerde tu paso.

Cómo serán las manos que toquen tu ceniza?

Rojas serán las manos que en tu ceniza nacen.

Y cómo es la semilla de tu corazón muerto?

Es roja la semilla de tu corazón vivo.

Por eso es hoy la ronda de manos junto a ti.

Junto a mi mano hay otra y hay otra junto a ella,

y otra más, hasta el fondo del continente oscuro.

Y otra mano que tú no conociste entonces

viene también, Bolívar, a estrechar a la tuya:

de Teruel, de Madrid, del Jarama, del Ebro,

de la cárcel, del aire, de los muertos de España

llega esta mano roja que es hija de la tuya.

Capitán, combatiente, donde una boca

grita libertad, donde un oído escucha,

donde un soldado rojo rompe una frente parda,

donde un laurel de libres brota, donde una nueva

bandera se adorna con la sangre de nuestra insigne aurora,

Bolívar, capitán, se divisa tu rostro.

Otra vez entre pólvora y humo tu espada está naciendo.

Otra vez tu bandera con sangre se ha bordado.

Los malvados atacan tu semilla de nuevo,

clavado en otra cruz está el hijo del hombre.

Pero hacia la esperanza nos conduce tu sombra,

el laurel y la luz de tu ejército rojo

a través de la noche de América con tu mirada mira.

Tus ojos que vigilan más allá de los mares,

más allá de los pueblos oprimidos y heridos,

más allá de las negras ciudades incendiadas,

tu voz nace de nuevo, tu mano otra vez nace:

tu ejército defiende las banderas sagradas:

la Libertad sacude las campanas sangrientas,

y un sonido terrible de dolores precede

la aurora enrojecida por la sangre del hombre.

Libertador, un mundo de paz nació en tus brazos.

La paz, el pan, el trigo de tu sangre nacieron,

de nuestra joven sangre venida de tu sangre

saldrán paz, pan y trigo para el mundo que haremos.

Yo conocí a Bolívar una mañana larga,

en Madrid, en la boca del Quinto Regimiento,

Padre, le dije, eres o no eres o quién eres?

Y mirando el Cuartel de la Montaña, dijo:

"Despierto cada cien años cuando despierta el pueblo".

Pablo Neruda.

Anúncios

Entry filed under: América latina, Artigo. Tags: .

Especialistas falam do futuro da Venezuela após a morte de Hugo Chávez Intersindical,sindicatos e PSOL participa do 8 de março: dia de luta contra a violência machista, racista e lesbofóbica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: