Massacre na periferia

7 de julho de 2012 at 12:00 pm Deixe um comentário

Em apenas quatro dias 25 pessoas foram mortas na região leste da grande São Paulo

José Francisco Neto,

da Redação Brasil de Fato

Entre os dias 17 e 28 de junho deste ano, 127 pessoas foram assassinadas na capital paulista, representando 73% dos 174 assassinatos no Estado de São Paulo, uma média de quase 12 mortos por dia. Os números são do Sistema de Informações Criminais (Infocrim) da Secretaria da Segurança Pública. Ao total, o número de homicídios foi 53% maior em comparação a junho de 2011.

PM

PM, na zona Leste de São Paulo, recolhem
os cadáveres de seis mortos no final de maio.
Ocorrência foi estopim para onda de violência.
– Foto: Eduardo Anizielli/ Folha Press

O aumento da violência começou no dia 28 de maio, quando policiais da Ronda Ostensiva Tobias Aguiar (Rota), após troca de tiros, na zona leste de São Paulo, mataram cinco homens e executaram um rapaz após o confronto. Há indícios de que os suspeitos mortos sejam da facção criminosa do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Segundo testemunhas, o rapaz detido, ainda vivo, teria sido levado para a região do Parque Ecológico do Tietê, onde o teriam torturado e assassinado a tiros. Os policiais foram presos em flagrante pela Corregedoria da Polícia Militar e pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

Imediatamente após o ocorrido, o policiamento se intensificou na zona leste da cidade. Segundo o morador da Cidade Tiradentes Wellington Lopes Goes, a polícia militar aumentou o cerceamento na região. “Desde aquele episódio, a polícia militar está em peso rodando aqui no bairro”, conta. Por outro lado, ele afirma que por ordem de pessoas ligadas ao crime, a escola em que leciona fechou de terça a sexta-feira. “A ordem era fechar a escola, a Unidade Básica de Saúde (UBS) e os comércios. A partir do meio dia não podia ficar mais nada aberto”, revela Wellington.

A partir desses episódios, uma onda de violência desencadeou-se em São Paulo no mês de junho: seis policiais militares foram mortos, 13 ônibus foram incendiados, bases da Polícia Militar foram baleadas, toques de recolher nos bairros foram anunciados pela própria polícia e grupos de extermínio agiram nas periferias, matando jovens durante a noite e madrugada.

No Parque Bristol, bairro da zona sul, a própria polícia militar entrou nos estabelecimentos e mandou fechar as portas dos comércios, segundo relata o morador da região, Paulo Rams. Segundo ele, na terça-feira, 26 de junho, os policiais foram até o bairro e falaram para ninguém ficar na rua a partir das 22h, pois quem não obedecesse seria averiguado e levado para a delegacia. “Aqui na região também incendiaram três ônibus. Tanto de um lado como do outro estão deixando a população acuada. Algumas pessoas estão dizendo que quem está colocando fogo nos ônibus são os próprios policiais.” Paulo afirmou ainda que na última semana de junho três jovens foram assassinados no Parque Bristol.

“Drogados”

Em apenas quatro dias, de 24 a 27 de junho, 25 pessoas foram mortas na parte leste da região metropolitana. Os crimes ocorreram em Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes.

A informação é do capitão Joel Chen, comandante da PM em Ferraz, concedida ao jornal Folha de São Paulo. Chen justifica as mortes dizendo que “muitos desses mortos são usuários de drogas” e que “os crimes ocorreram em áreas que são pontos de venda de entorpecentes”.

Para o assessor jurídico da Pastoral Carcerária, Rodolfo Valente, o comentário do comandante é um absurdo. “As vítimas não são as mesmas pessoas que vêm confrontando policiais e, ainda que fossem, não é dessa forma que se combate a suposta criminalidade”, salienta, referindo-se ao assassinato dos seis policiais desde o início do mês de junho.

“A polícia não tem prerrogativa de matar ninguém, ainda que seja perseguição ou situação de flagrante. Pelo menos o que dizem é que vivemos num estado democrático de direito, mas a gente sabe que não é assim. Eles [policiais] não estão de maneira nenhuma legitimados a executar as pessoas”, comenta Valente.

Quatro horas, nove mortos

Somente na noite de segunda-feira, em 25 de junho, nove jovens, entre 16 e 20 anos, foram assassinados. Os crimes ocorreram nos bairros paulistanos Jardim Robru, Capão Redondo, Jardim Ângela e Jardim São Luis, além do município de Poá, na região metropolitana da capital paulista.

Dessas nove mortes, quatro ocorreram no Jardim Picosse, em Poá. Os jovens Dênis Silva Aparecido e Estevam Marine de Campos, ambos de 19 anos, estavam na rua Pará, na altura do número 178, com Raimonde Anunciação Batista, de 20 anos, e Hederton José Cunha, de apenas 16.

Uma das moradoras do bairro que não quis se identificar por medidas de segurança, relatou ao Brasil de Fato que os jovens estavam indo a uma pizzaria que fica na mesma rua em que moravam. De repente, começou um tiroteio. “Teve um que foi assassinado nos pés da mãe, enquanto outro morreu agachado porque estava tentando se esquivar dos tiros”, conta.

A polícia militar foi acionada, e ao chegar ao local encontrou as quatro vítimas no meio da via pública. Os jovens foram levados ao pronto-socorro central da cidade, mas não resistiram e morreram.

Um dia após a chacina, a própria polícia militar mandou fechar todos os comércios do bairro, deixando os moradores acuados e com medo de saírem de suas residências.“No dia seguinte, os comércios estavam todos fechados. A dona de um bar disse que os policiais passaram avisando que era pra fechar tudo às 14h. Depois que isso aconteceu, ninguém sai mais na rua, pois o clima aqui está muito tenso”, conta a moradora.

A chacina foi registrada no Distrito Policial do município e está sendo investigada pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Débora Maria, do Movimento Mães de Maio, ressalta que essas chacinas são semelhantes às que ocorreram em maio de 2006, quando grupos de extermínio ligados à polícia militar assassinaram mais de 500 pessoas em apenas oito dias. “Os policias pegam os ‘supostos autores’ dos crimes e assassinam. Antes deles acharem, deveriam procurar saber se são realmente criminosos e puni-los exemplarmente, mas acontece que primeiro eles matam pra depois saber quem é a vítima. A gente vê uma higienização da pobreza por parte da polícia do estado de São Paulo”, argumenta.

Anúncios

Entry filed under: Notícias. Tags: .

PSTU e PCB juntos com o PSOL na campanha Alexandre Castilho prefeito Metalúrgicos do Estaleiro Ultratec (UTC) conquistam 10% de reajuste e nenhum desconto dos dias de greve

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: