Mais prisioneiros palestinos em risco de morte

6 de julho de 2012 at 12:47 pm Deixe um comentário

De novo, a intransigência das autoridades de Israel leva os presos políticos em greve de fome a um sofrimento desnecessário. A rede palestina de solidariedade pede apoio internacional para pôr fim à situação

Baby Siqueira Abrão

Correspondente no Oriente Médio

Postado: Brasil de Fato

combat_boots

Akram Al-Rikhawi tem 39 anos e 13 filhos – cinco de um irmão já falecido, dos quais cuida desde 17 anos e que depois foram adotados por ele e pela esposa. Mora na cidade de Rafah, na Faixa de Gaza. Em 7 de junho de 2004, ao voltar para casa depois de mais um dia de trabalho, Akram, como de costume, diminuiu a marcha do carro no posto de controle militar de Abu Ghouli, entre Rafah e a Cidade de Gaza. Também como de costume, entregou sua carteira de identidade (ID) ao soldado que se aproximou do veículo. Mas, ao contrário do que acontecia antes, naquele 7 de junho ele foi detido. Akram não sabia, mas o exército decretara sua prisão em setembro de 2000, início da Segunda Intifada. Por que os oficiais levaram quatro anos para prendê-lo, mesmo vendo-o várias vezes no checkpoint, é mais um desses mistérios que só Israel pode esclarecer.

Ao ser levado para o centro de detenção, Akram teve as roupas arrancadas pelos soldados. Logo em seguida eles saíram, e voltaram acompanhados por cães treinados, para intimidá-lo e amedrontá-lo. Pouco mais tarde um tribunal militar israelense o sentenciou a 9 anos de prisão.

Ele cumpre pena no centro médico de Ramle desde que foi detido, em consequência de doenças crônicas, como asma, colesterol alto, insuficiência renal e imunodeficiência. Antes da prisão, o tratamento para a asma era à base de injeções de Kenacort, medicamento que o serviço prisional israelense (IPS) o impede de tomar. Pior: passaram a aplicar nele injeções de cortisona, que provocaram efeitos colaterais graves e foram a causa de novas doenças crônicas, como diabetes, glaucoma e osteoporose.

Em 12 de abril deste ano Akram entrou em greve de fome para reivindicar liberdade, dadas suas sérias condições de saúde. O acordo entre o IPS e os representantes dos presos políticos, que em 14 de maio pôs fim à greve de fome de quase todos os prisioneiros, não o atendeu. Três apelações de soltura, uma em 2010, a segunda no começo de 2012 e a terceira em 5 de junho, foram rejeitadas, apesar de todo prisioneiro ter direito à antecipação da liberdade depois de cumprir dois terços da pena, como é o caso de Akram, e a despeito de seu grave estado de saúde. Também foram recusadas as apelações da organização Médicos por Direitos Humanos, seção de Israel (MDH-I), para que ele fosse encaminhado a um hospital civil a fim de receber tratamento adequado. E apenas em 6 de junho um dos voluntários da MDH-I obteve autorização para examiná-lo.

Em meados de maio Akram passou a recusar tratamento médico. Por causa disso, o número de injeções de cortisona aumentou. Com quase 85 dias em greve de fome, ele – arrimo financeiro e emocional da família, que passa necessidades em consequência de sua prisão – emagreceu 18 quilos, teve uma severa perda muscular e sofre com inflamações. Está em risco iminente de morte.

Mona Neddaf, advogada da Associação Addameer de Direitos Humanos e Apoio aos Prisioneiros conseguiu visitá-lo em 19 de junho e constatou que Akram está muito cansado e fraco. Três dias antes ele passou a recusar vitaminas e líquidos por via intravenosa. Toma apenas água, e muito pouco, pois não tem forças nem para engolir, constatou Mona. O consumo mal chega a um litro por dia, muito abaixo do recomendado para pessoas em greve de fome.

A família, proibida de vê-lo desde 2006 – depois da captura do soldado israelense Gilad Shalit pelo Hamás, partido político que governa Gaza, as autoridades sionistas decidiram impedir visitas aos presos gazenses; Shalit foi libertado em 2011 e o acordo de 14 de maio deste ano garantia o direito a visitas,  mas a proibição continua valendo –, apoia sua decisão.

“Sentimos muito a falta dele”, diz Yasmine, sobrinha e filha adotiva. “Meu tio dava apoio financeiro e psicológico, além de nos ajudar nos estudos. Tem uma cultura vasta, porque lê o tempo todo, e todos os tipos de livros. Mas, afinal, só se vive uma vez e é preciso ter uma vida digna ou morrer lutando por isso.”

Outros casos graves

Além de Akram, também estão em greve de fome Samer al-Barq (44 dias) e Hassan Safadi (13 dias). Ambos protestam contra o não cumprimento, por Israel, de sua parte do acordo de 14 de maio. Ao contrário do que foi prometido, a detenção administrativa de Samer não expirou no dia em que o acordo foi firmado; ao contrário, a pena foi estendida para mais três meses. Hassam, por sua vez, encerrou sua greve em 14 de maio, depois de 71 dias, mas voltou a ela em 21 de junho, quando, também contrariando o acordo, as autoridades renovaram sua detenção administrativa.

A Addameer informa que há outras violações do acordo: Dirar Abu Sisi, um dos 19 prisioneiros em confinamento há anos, continua na solitária, apesar da promessa de tirá-lo de lá, e na semana passada, também contrariando o acordo, um preso foi confinado. As visitas aos gazenses ainda não foram permitidas, quase um mês depois de firmado o compromisso de liberá-las. “Não houve mudanças na política prisional de Israel, em relação à detenção administrativa, e receamos que essas práticas continuem se não houver pressão da comunidade internacional”, afirma um documento oficial da organização.

Além disso, as detenções administrativas, as perseguições em massa e o julgamento por tribunais militares não cessaram. Walid Abu Rass, gerente financeiro e administrativo dos Health Work Committees (Comitês de saúde no trabalho), por exemplo, foi sequestrado e mantido arbitrariamente em prisão israelense.

Como ajudar

Você pode ajudar a salvar as vidas dos prisioneiros políticos palestinos e a libertar vários deles. Veja, a seguir, as várias maneiras de auxílio e apoio.

1. Envie cartas solicitando:

– liberdade para Akram Rikhawi, Samer al-Barq e Hassan Safadi e sua imediata internação em hospital civil, para tratamento médico;

– liberdade para Walid Abu Rass e para os demais palestinos sob detenção administrativa;

– fim do tratamento desumano aos prisioneiros palestinos.

Envie sua carta para:

  • Brigadier General Danny Efroni
    Military Judge Advocate General
    6 David Elazar Street
    Harkiya, Tel Aviv
    Israel
    Fax: +00 972 3 608 0366; +00 972 3 569 4526
    Email: arbel@mail.idf.il; avimn@idf.gov.il
  • Maj. Gen. Nitzan Alon
    OC Central Command Nehemia Base, Central Command
    Neveh Yaacov, Jerusalam
    Fax: + 00 972 2 530 5741
  • Deputy Prime Minister and Minister of Defense Ehud Barak
    Ministry of Defense
    37 Kaplan Street, Hakirya
    Tel Aviv 61909, Israel
    Fax: +00 972 3 691 6940 / 696 2757
  • Col. Eli Bar On
    Legal Advisor of Judea and Samaria

PO Box 5
Beth El – 90631
Fax: +00 972 2 9977326

2. Assine a carta postada no endereço samidoun.ca/2012/07/urgent-83-days-of-hunger-strike-take-action-for-palestinian-prisoner-akram-al-rikhawi/#letter.

3. Assine a carta para os membros do Parlamento Europeu, solicitando ação imediata para salvar a vida de Akram: http://ufree-p.net/News-221.

4. Assine a petição solicitando a liberdade de Walid Abu Rass e de todos os palestinos em detenção administrativa:http://www.avaaz.org/en/petition/Release_of_Palestinian_healthcare_activist_and_all_others_held_in_Administrative_Detention_without_trial/?cSTVkdb.

5. Organize uma manifestação em seu bairro, sua escola ou universidade, sua cidade, sua rua. Se tiver dúvidas sobre como organizar ou o que dizer, se precisar de material, escreva parasamidoun@samidoun.ca e preencha o formulário postado emhttp://samidoun.ca/2012/04/submit-your-palestinian-prisoner-solidarity-activities-here/, para sua atividade ser noticiada ao redor do mundo, em blogs e redes sociais.

6. Escreva para deputados e senadores nos quais você votou (ou para todos, se preferir) e exija que eles atuem no sentido de pôr fim à cumplicidade e ao silêncio internacional em relação aos prisioneiros políticos palestinos. Você pode obter os e-mails deles emwww.camara.gov.br/ e www.senado.gov.br/senadores/. Nesses endereços você também encontra os telefones dos gabinetes. Se puder, telefone ao menos a um deles, depois de enviar o e-mail, diga por que ligou e avise que enviou e-mail sobre o assunto. Os assessores, em geral, encaminham para deputados e senadores.

7. Entre no site do Ministério da Relações Exteriores (http://www.itamaraty.gov.br/), clique em “Fale com o ministro” (embaixo, à esquerda) e copie, no formulário, a mensagem que você enviou a deputados e senadores.

8. Entre no site “Fale com a presidenta (https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php) e siga as instruções. Copie no formulário sua mensagem a deputados e senadores.

Para contatos com Israel e outros países, escreva em inglês. Se não conseguir, escreva em português e use o Google Tradutor para traduzir sua carta para o inglês. Não fica uma maravilha, mas os destinatários entenderão. De preferência, coloque os nomes dos prisioneiros em letras maiúsculas e negrito, para que o assunto da mensagem seja identificado de imediato.

Anúncios

Entry filed under: Internacional. Tags: .

A ditadura argentina no engenho PSTU e PCB juntos com o PSOL na campanha Alexandre Castilho prefeito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: