MST inicia campanha pela desapropriação de fazenda em que militantes foram incinerados

9 de junho de 2012 at 1:00 pm Deixe um comentário

Dez corpos foram queimados pela ditadura no forno da Usina Cambahyba para que as marcas das torturas nunca fossem vistas

da Página do MST

usina Cambahyba

O MST acaba de iniciar uma campanha de coleta de assinaturas pela desapropriação da Usina Cambahyba, em Campos dos Goytacazes, RJ.

Clique aqui para assinar

No livro “Memórias de uma guerra suja” (Topbooks), o ex-delegado do DOPS Cláudio Guerra denuncia vários crimes da ditadura. O que mais causa indignação é saber que os corpos de dez militantes que lutaram contra o regime militar foram incinerados no forno da Usina Cambahyba, de propriedade de Heli Ribeiro Gomes.
João Batista Rita, Joaquim Pires Cerveira, Ana Rosa Kucinsk Silva e Wilson Silva, David Capistrano, João Massena Melo, Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira, Eduardo Coleia Filho, José Roman e Luiz Ignácio Maranhão Filho tiveram seus corpos incinerados, para que não ficassem vestígios das torturas impostas pela ditadura militar.
MST luta para desapropriação de área onde militares incineravam militantes
Segundo o ex-delegado do DOPS, a Usina, em troca, recebia facilidades como créditos e financiamentos. A Usina Cambahyba, cúmplice da violência do Estado, era beneficiada e protegida. Consta no livro:
“O local foi aprovado. O forno da usina era enorme. Ideal para transformar em cinzas qualquer vestígio humano. A usina passou, em contrapartida, a receber benefícios dos militares pelos bons serviços prestados. Era um período de dificuldade econômica e os usineiros da região estavam pendurados em dívidas. Mas o pessoal da Cambahyba, não. Eles tinham acesso fácil a financiamentos e outros benefícios que o Estado poderia prestar." (Cláudio Guerra, ex-delegado do DOPS)
Prossegue, hoje, a proteção às terras da Usina Cambayba. E a violência continua. O Poder Judiciário Federal vem impedindo a desapropriação do complexo de 7 fazendas que totalizam 3.500 hectares.
Em 1998, as fazendas da Usina foram consideradas improdutivas e passíveis de desapropriação para fins de Reforma Agrária pelo INCRA, e objeto de um decreto presidencial.
Mas, ao longo desses 14 anos, o Poder Judiciário vem impedindo a desapropriação e promovendo despejos violentos das famílias que reivindicam a terra.
No ano 2000, frente à morosidade do INCRA e do Poder Judiciário, 470 famílias organizadas no MST ocuparam o complexo de fazendas da Usina.
No mesmo ano, a Procuradoria da Fazenda Nacional de Campos dos Goytacazes iniciou um processo de arrecadação das terras da Usina, cujas dívidas  com a União, ultrapassam R$ 100 milhões. Porém, esta tentativa foi frustrada pelo Governo Federal em 2003/2004, através do Plano de Refinanciamento das Dívidas dos empresários com a União (Refis).
A proteção do Estado ao latifúndio permanece. Em 2006, as Polícias Federal e Militar, por decisão da Justiça Federal de Campos, despejaram com violência famílias que viviam nas terras da Cambahyba. Houve agressões e prisões, casas e plantações foram destruídas.
A história da Usina Cambahyba ilustra o poder do latifúndio em nossa sociedade. É inaceitável que essa violência continue. Por isso, exigimos a imediata desapropriação das terras da Cambahyba para assentamento das famílias.

Anúncios

Entry filed under: Notícias. Tags: .

Desaparecidos: familiares criticam governo de SP por omissão Cúpula dos Povos protesta contra as licenças ambientais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • Executiva Estadual do PSOL SP aprova entrada do deputado João Paulo Rillo
    A Executiva Estadual do PSOL SP reunida neste sábado, 24.03, na sede do partido aprovou por 13 votos a 1, a entrada do Deputado Estadual João Paulo Rillo no PSOL. Nas redes sociais o deputado Rillo se manifestou em publicação com título Um Novo Caminho, no qual apresenta as razões da saída e um pouco das […]
  • Grande Ato em memória de Marielle Franco nesta terça 20.03 às 17h no Masp
    Marielle vive! Convidamos todas e todos, lutadoras e lutadores para um ato político, cultural e ecumênico na próxima terça, dia 20 de março, no vão livre do MASP – Av.Paulista, a partir das 17h. Será um dia de mobilizações nacionais, para transformar nossa dor e indignação em luta. Não podemos tolerar mais tanta violência. O […]
  • Atos em memória de Marielle Franco pelo estado de São Paulo
    A onda de mobilizações e indignação que tomou conta do Brasil desde ontem, contra o brutal e covarde execução da vereadora do Rio Marielle Franco do PSOL, que além de ser mulher negra, favelada, lésbica e mãe, também fazia de sua atuação uma trincheira de defesa dos direitos, de denúncia dos abusos policiais, da violência […]
  • PSOL SP convoca ato: contra o genocídio, Marielle presente!
    O PSOL SP está em choque com a notícia do assassinato da companheira Marielle Franco. Uma das vereadoras cariocas mais votadas, eleita em 2016, mulher, negra,moradora de favela, ativista dos Direitos Humanos, orgulho do PSOL. Lamentamos também a morte do camarada Anderson Pedro Gomes, que estava dirigindo o carro que foi brutalmente atacado. Transformaremos […]
  • Pela vida das mulheres: direitos e democracia! Dória sai, fica aposentadoria!
    Por Laura Cymbalista e Maria Aparecida Freitas Sales, educadoras da rede municipal de São Paulo e diretoras do SINPEEM. Em greve desde 08 de março! No último 08 de março ocupamos às ruas para combater o machismo, o racismo e a violência. Ocupamos para dizer que nossas vidas e nossos corpos não tem dono. Nem patrões, […]

%d blogueiros gostam disto: