Manifestação diante da empresa de segurança privada Dacala

30 de março de 2012 at 12:00 pm 1 comentário

28 de março de 2012
Brasil de Fato Cristiano Navarro – Foto: Cristiano Navarro
O torturador mora ao lado

escracho-SP_Cristiano-Navarro (1)

Manifestação diante da empresa de

segurança privada Dacala – Foto: Cristiano Navarro

Os vizinhos não sabiam, mas na avenida Vereador José Diniz, 3.700, bairro do Campo Belo na cidade de São Paulo, trabalha um criminoso que em nome da ditadura civil e militar perseguiu, torturou, estuprou e matou militantes de esquerda.

Neste endereço funciona a empresa de segurança privada Dacala, e foi lá que cerca de 150 manifestantes mobilizados pelo Levante Popular da Juventude denunciaram o seu proprietário, David dos Santos Araujo, delegado aposentado da policial civil que atuou no Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operação de Defesa Interna (DOICodi) utilizando codinome de “Capitão Lisboa”. Nos tempos do Doi Codi, Araujo se vestia como capitão do exército para passar como tal.

escracho_SP_Levante-Popular-da-Juventude

Escracho denuncia a presença do ex-policial

Foto: Levante Popular da Juventude

Para chamar a atenção para os crimes cometidos pelo “Capitão Lisboa”, o Levante Popular da Juventude usou de um método bastante conhecido em países vizinhos: o escracho. “Se não há justiça, há escrachos”, cobraram dos governos os movimentos sociais no Chile, Argentina e Uruguai durante a década de 2000 a punição contra militares que cometeram crimes nas ditaduras.

Com tambores, faixas, cartazes, carro de som e bandeiras os jovens gritavam, faziam pichações e dançavam para chamar a atenção das pessoas. “Pula, pula, pula quem é contra ditadura. Pula, sai do chão, quem é contra repressão!”.

As balconistas de uma farmácia vizinha, que assistiam ao ato, comentaram surpresas “nossa, você viu, o cara é um torturador”. No ponto de táxi da rua Demóstenes, ao lado da Dacala, foi a primeira vez que o taxista Nestor Pereira e seus companheiros ouviram falar do passado do empresário. “Eu trabalho aqui há muitos anos e a gente não sabia que ele era da ditadura. Mas tá certo, democracia é isso”.

Lira Alli, integrante do Levante explica que a ideia do protesto não é debater ou confrontar o criminoso, mas denunciar os crimes dialogando com a sociedade. “Nosso diálogo é com a sociedade, não com o torturador que está sendo denunciado pelo Ministério Público Federal por crimes contra a humanidade. Queremos que as pessoas saibam que este homem é um torturador. O dono dessa empresa é um torturador. David dos Santos Araújo é um torturador”. Durante a manifestação o torturador não apareceu, e procurado pela imprensa ele não respondeu. Os funcionários da empresa informaram que o dono da Dacala estava lá.

Escrachos como o que ocorreu em São Paulo foram organizados pelo Levante Popular na frente da casa de torturadores em Belo Horizonte, Belém, Fortaleza e Porto Alegre; manifestações em favor da Comissão da Verdade também ocorreram em Curitiba e Rio de Janeiro.

Para o estudante de direito e membro do Levante Popular da Juventude Caio Santiago, o debate sobre a memória do país vive um momento crucial. “Mesmo com as limitações para punição dos crimes, o governo Dilma teve uma boa postura de criar a Comissão da Verdade. Mas entendemos que a partir do manifesto dos militares a comissão passou a ser ameaçada”, afirma Santiago, que completa: “este é um tema que está em disputa na nossa sociedade, por isso o escracho pode ser decisivo”.

A lista de agentes da ditadura em São Paulo e em todo Brasil sujeitos a sofrer escracho é grande. Assim, outros grupos da capital paulista preparam novos protestos. É o caso do “Cordão da Mentira”, que será no dia primeiro de abril. Composto por coletivos políticos, grupos de teatro e sambistas de diversos grupos e escolas da capital paulista, o Cordão questionará quem e quais são os interesses que bloqueiam uma real investigação sobre a história brasileira. O desfile ocorrerá no dia da mentira e do golpe civil-militar de 1964. A concentração será às 11h30 em frente ao Cemitério da Consolação.

O que é um “escrache”?

Escrache, traduzido como escracho, é uma denuncia popular contra acusados de violações aos direitos humanos ou de corrupção, que se realiza mediante atos tais como discursos, panfletagens, teatro, cantos e pichações, em frente a um domicílio, um estabelecimento comercial ou em lugares públicos.

Os escraches se popularizaram na Argentina, Uruguai e Chile, com a mobilização de movimentos sociais e familiares que exigiam de seus governos a prisão para os crimes cometidos durantes os períodos de ditadura.

Anúncios

Entry filed under: Notícias. Tags: .

O “bode expiatório” dos empresários Evento Acadêmico sobre Terceirização

1 Comentário Add your own

  • 1. Carlos (Dcas)  |  30 de março de 2012 às 8:11 pm

    Todos nós só queremos a democracia e respeito às suas bases, por isso criticamos ações irresponsáveis como essa de estudantes fazendo justiça com as próprias mãos. Só isso. Como você se sentiria, caro estudante, no lugar de uma filha, que não tem nada a ver como o passado de um pai, que está sendo julgado a revelia da lei, ao ver a sua casa pichada, o que poderia também motivar outros crimes, como ocorreu naquela creche de São Paulo, cujos donos foram depois inocentados pela justiça. Também essa violência contra velhinhos no Rio que foram assistir palestras, constrangendo-os com graves ofensas. Uma rebelde mostra suas cicatrizes por ter sido imprudente e enfrentado a polícia (um policial tem que manter a ordem diante de violência, como se faz em todo o mundo, se preciso for usar arma não letal). Como reparar isso. Não é tão simples as suas rebeldias, moça de olhos tristes e garotão irresponsável que bateu num idoso.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • Guilherme Boulos | Precisamos falar de justiça tributária
    Artigo publicado originalmente no site do IREE Vivemos um momento de encruzilhada. Acredito que não podemos mais fugir ou empurrar nossos problemas pra frente. A política de ajuste de Temer é a mesma que fracassa a olhos nus e se refugia no “socorro” do FMI na Argentina de Macri. É preciso apontar os problemas estruturais do […]
  • Nota pública: o Brasil diz não a Temer
    Na última semana o governo Temer completou dois anos de ataques à democracia, à soberania e aos direitos sociais. Sua agenda de retrocessos tem como alvos imediatos os direitos trabalhistas e previdenciários, o patrimônio nacional, a legislação ambiental e a capacidade de atuação do Estado, cuja soma coloca em questão os direitos da pessoa humana, […] […]
  • Projeto do PSOL na Alesp proíbe descarte de resíduos tóxicos na natureza
    A bancada do PSOL na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), composta por Carlos Giannazi, João Paulo Rillo e Raul Marcelo, apresentou nesta quarta-feira (23) projeto de lei que proíbe o descarte de resíduos tóxicos na natureza em território do Estado de São Paulo. A ideia da elaboração desta proposta de lei partiu de um […]
  • Executiva Estadual do PSOL SP aprova entrada do deputado João Paulo Rillo
    A Executiva Estadual do PSOL SP reunida neste sábado, 24.03, na sede do partido aprovou por 13 votos a 1, a entrada do Deputado Estadual João Paulo Rillo no PSOL. Nas redes sociais o deputado Rillo se manifestou em publicação com título Um Novo Caminho, no qual apresenta as razões da saída e um pouco das […]
  • Grande Ato em memória de Marielle Franco nesta terça 20.03 às 17h no Masp
    Marielle vive! Convidamos todas e todos, lutadoras e lutadores para um ato político, cultural e ecumênico na próxima terça, dia 20 de março, no vão livre do MASP – Av.Paulista, a partir das 17h. Será um dia de mobilizações nacionais, para transformar nossa dor e indignação em luta. Não podemos tolerar mais tanta violência. O […]

%d blogueiros gostam disto: