Revolução e luta Sindical no Egito

7 de março de 2012 at 1:06 pm Deixe um comentário

05 de março de 2012
Por Aldo Sauda

A revolução no Egito, que começou no dia 25 de janeiro de 2011 e esta longe de terminada, possui historias não contadas na grande imprensa.

Todos sabem dos jovens, com internet e celulares modernos nas mãos, que participaram da derrubada do ditador egípcio Hosni Mubarak. Infelizmente, a outra parte da historia, a dos milhões de trabalhadores e trabalhadoras que através do instrumento da greve geral derrubaram o regime, é muito pouco conhecida no Brasil.

Se não fosse pela greve geral, que literalmente parou todo país, muito provavelmente Mubarak ainda seria presidente do Egito.

A revolução anti-neoliberal

alguns meses antes da revolução, toda a imprensa e burguesia internacional olhava para o Egito como um grande exemplo para o mundo. Seu PIB (Produto Interno Bruto), considerado principal índice medidor da economia, crescia por volta de 7% ao ano. De longe, o país parecia uma maravilha. Porém, enquanto a economia crescia e a burguesia ficava mais rica, os trabalhadores, que viram quase todos seus direitos desaparecer durante estes mesmos anos, foram apenas se empobrecendo.

A ditadura egípcia, com ajuda do governo norte-americano, privatizou boa parte da economia do país. Se antes a economia era quase inteiramente estatal, os anos 2000 viram o Egito se juntar às outras economias neoliberais do mundo. Em pouco tempo, aquilo que antes era de todos passou para as mãos de alguns.

Além de privatizar, a ditadura também retirou direitos básicos do trabalhador, como o salario mínimo e garantias de aceso a serviços públicos. O projeto dos grandes empresários e do capital internacional eram claros; transformar o Egito na China africana: um país sem direitos sociais dirigido pelo grande capital internacional.

De greve em greve, por dentro e por fora dos sindicatos

O acenso dos trabalhadores egípcios, que eventualmente culminou na derrubada do regime, teve início entre os operários da industria tecelã em 2006. Revindicando o pagamento de bônus atrasados e melhores condições de trabalho, a greve vitoriosa dos tecelões foi a primeira grande mobilização da classe trabalhadora no país após décadas de descenso.

Para controlar o operariado, o governo egípcio fazia com que todos os sindicatos do país fossem dirigidos por sindicalistas pelegos, ligados ao partido do governo. O controle dos sindicatos se dava pela central sindical ligada ao partido do governo, que era a única permitida a funcionar antes da revolução.

Foi a partir da organização de greves por fora da estrutura sindical que a classe trabalhadora egípcia iniciou o ascenso politico que derrubou Mubarak. A greve dos tecelões em 2006 é um exemplo perfeito disto. Enquanto a direção pelega se colocou contra a greve, os trabalhadores e suas verdadeiras lideranças decidiram parar as fábricas independente da vontade da direção sindical.

De 2006 a 2011, a quantidade de greves no Egito foi dobrando de ano em ano. Petroleiros, Químicos, Portuários, servidores públicos, professores e trabalhadores da saúde, foram, de ano em ano, aumentando cada vez mais suas mobilizações. Em setembro de 2010, alguns meses antes do inicio da revolução, a classe trabalhadora egípcia já organizava a maior mobilização dos trabalhadores de toda a historia do mundo árabe.

O exemplo da Tunísia

Quando o povo da Tunísia, também com participação central do movimento operário de lá, derrubou em menos de um mês o ditador tunisiano Ben Ali, todos os países árabes pararam para assistir. A mensagem enviada da Tunísia, que sofria dos mesmos problemas econômicos que o Egito, foi clara. O povo organizado na rua consegue derrubar qualquer governo que quiser.

No dia 25 de Janeiro de 2011, 11 dias depois da derrubada do ditador da Tunísia, a juventude egípcia, cansada de desemprego, baixos salários, pobreza e injustiça social, tomou as ruas do Cairo, capital do país, para derrubar o ditador Hosni Mubarak.

Do dia 25 ao dia 28, o país foi marcado por embates campais entre os jovens e a policia. Todos os dias, milhões tomaram as ruas para protestar contra o regime corrupto. Delegacias foram incendiadas, carros de policia queimados e os presos políticos soltos das prisões pelo povo. O Egito iniciava uma revolução.

As lutas na rua, porém, não foram o suficiente para derrubar a ditadura. Manifestações de massa e o enfrentamento com a policia são instrumentos políticos importantes, mas sem que se pare o todo da economia de um país, dificilmente uma revolução se faz vitoriosa.

A greve geral

Os trabalhadores egípcios, que junto com os estudantes e jovens desempregados se manifestavam quase todos os dias, iam aos protestos, inicialmente, enquanto indivíduos.

Foi apenas após quase uma semana de protestos, que os trabalhadores viram que a revolução pouco se diferenciava de suas lutas do dia a dia por melhores condições de vida. A partir daí, deixaram de agir enquanto indivíduos lutando contra o sistema para agirem enquanto classe social.

No dia 2 de fevereiro, a liderança operaria, que pelo lado de fora dos sindicatos pelegos vinha organizando a luta dos trabalhadores, decidiu fundar uma central sindical independente dos patrões e do governo. Logo em seguida, declararam a greve geral. O objetivo da greve era claro; fim do regime ditatorial, da central pelega ligada ao partido do governo e do neoliberalismo no Egito.

Frente a mobilização da classe trabalhadora, a burguesia, junto aos militares, viram que a situação no Egito era insustentável. Ou sacrificavam Mubarak, entregando o anel, ou correriam o risco de perder toda a mão.

A aliança da juventude com os trabalhadores podia muito bem atingir os soldados e jovens oficiais do exercito. A possibilidade de que os soldados voltassem as suas balas contra Mubarak seus generais, avançando ainda mais a revolução, aterrorizou a burguesia e os generais.

No dia 11 de fevereiro de 2011, sob temor do avanço da revolução, os generais egípcios depuseram o ditador Hosni Mubarak.

Apear dos trabalhadores e dos jovens não terem assumido o poder, a derrubada do ditador, mesmo que por seus antigos aliados, foi uma vitoria histórica pra classe trabalhadora árabe!

A luta continua!

Apesar das promessas dos generais de entregar o poder para o povo, a classe trabalhadora egípcia, ao lado da juventude, sabe de que lado esta a junta militar que agora governa o país. Junto a burguesia e os religiosos islâmicos, o exercito tem se mobilizado para impedir o avanço da revolução. Enquanto dizem estar ao lado do povo, reprimem os jovens e atacam as greves, que não param de crescer no Egito.

Após a queda de Mubarak, a nova central que organizou a greve geral passou não só a crescer exponencialmente na base, como a ganhar diversos sindicatos, até então controlados pelos pelegos. Hoje, um ano após a revolução, a nova central possui mais de 2 milhões de trabalhadores em sua base.

O mês de setembro de 2011, foi um mês particularmente positivo para a classe trabalhadora. Uma serie de greves, organizadas pela nova central, parou o país. As greves de setembro foram as primeiras a contar com um processo real de coordenação nacional, conseguindo paralisar por volta de 700 mil trabalhadores.

O mês de setembro viu professores exigindo aumento salarial, portuários exigindo melhores condições de trabalho, trabalhadores do transporte exigindo o fim dos contratos temporários… enfim, a classe trabalhadora exigindo seus direitos.

A revolução no Egito e principalmente a organização da classe trabalhadora, representa as esperanças de todo o Oriente Médio pela construção de um novo mundo, sem oprimidos nem opressores. Para isto, porém, muito trabalho de organização da classe ainda será necessário. Novas batalhas virão, tanto contra a burguesia e os militares, que continuam no poder, como contra o imperialismo americano e europeu. A luta, ou melhor, a revolução, continua.

Assista aqui a mobilização

Aldo Sauda – é jornalista brasileiro. Vive no Cairo desde início dos protestos.

Anúncios

Entry filed under: Internacional. Tags: .

Multinacional brasileira no banco dos réus Mulheres camponesas ocupam fazenda da Suzano Papel e Celulose no Sul da Bahia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: