Plataforma de Organizações revela violações de direitos humanos praticadas pela Minustah desde 2004

6 de março de 2012 at 10:05 am Deixe um comentário

Natasha Pitts

Jornalista da Adital

Adital

Recentemente, a Plataforma de Organizações Haitianas de Direitos Humanos (POHDH) divulgou o relatório A Minustah e a violação dos Direitos Humanos no Haiti mostrando o fracasso e os prejuízos causados pela Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, que desde 2004 ocupa o país a pretexto de garantir a paz, instalar um estado de direito e oferecer segurança.

O relatório aponta que cada vez mais a atuação da Minustah no Haiti é alvo de críticas severas por parte da sociedade haitiana. Isso pode ser constatado ao se relembrar as inúmeras manifestações da população e da sociedade civil organizada pedindo a saída dos militares.

Não por acaso o povo pede que os ‘cascos azuis’ – como os soldados são conhecidos – batam em retirada. O relatório da Plataforma de Organizações Haitianas revela que o clima de insegurança cresceu depois da chegada das tropas e relembra que a introdução e propagação da cólera foram obras dos militares da Minustah.

O documento também cita as atrocidades cometidas pelos militares, sobretudo, nos bairros mais pobres, como Cité Soleil, Bel Air e Martissant, onde se tem registro de operações que mataram, feriram, maltrataram e destruíram bens privados. De fevereiro de 2004 a dezembro de 2006, apenas na região metropolitana da capital, Porto Príncipe, 74 pessoas foram mortas nas intervenções da Minustah. Em outros departamentos também foram catalogadas violações de direitos. A POHDH cita o enforcamento de Gerald Gilles no Cabo Haitiano, a violação de Johny Jean em Port-Salut e a de Roody Jean em Gonaives, e o assassinato de Widerson Gena, que foi vitimado quando participava de uma manifestação em Verettes.

Nem mesmo a polícia está livre dos desmandos dos militares. A POHDH descobriu casos de violência e tentativa de violação contra agentes da polícia por parte de soldados. Um dos casos aconteceu em 29 de maio de 2008. O policial Luckinis Jacques, da delegacia de Cité Soleil, foi violentado por agentes da Minustah. O mesmo aconteceu em seis de agosto de 2008 com os policiais Donson Bien-Aimé A2 e Ronald Denis A3, também da delegacia de Cité Soleil. Há cerca de um ano, do dia 13 para 14 de março, o policial Orline Mérilan sofreu tentativa de violação por parte de Muhammad Naseem, também membro da Missão.

A Plataforma de Organizações Haitianas assegura que em nenhum dos casos foram feitos procedimentos para punir os culpados e oferecer reparação às vítimas.

Além de todo o mal que a permanência dos militares provoca à população, a POHDH aponta que a Minustah demanda uma soma extraordinária de dinheiro. "O custo de sua operação deixa pressagiar um antagonismo flagrante entre a vontade de criar a estabilidade do Haiti em vista do desenvolvimento sócio-econômico do país e do enriquecimento dos atores internacionais, deixando jogados na miséria uma grande proporção da população”, criticam.

Os diversos casos comprovam que a atuação da Minustah no país viola normas nacionais e internacionais de proteção aos direitos humanos, dentre elas a Declaração Universal de DH, da qual o Haiti é signatário e que em seu artigo terceiro define que todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança.

Por esta soma de motivos, a Plataforma recrimina a permanência dos militares no país. "(…) nenhuma mudança real aconteceu em nível do aparato judicial que fomenta, todavia, a impunidade e a violação dos Direitos Humanos. Várias pessoas seguem sendo objeto de detenções ilegais e arbitrárias com prisão preventiva prolongada, enquanto os criminosos de grande porte como Jean-Claude Duvalier seguem aproveitando da impunidade”, criticam, comprovando que os oito anos de Minustah no Haiti não trouxeram benefícios para a população ou para o país.

A Plataforma de Organizações Haitianas de Direitos Humanos faz um apelo e pede aos países que se dizem amigos do Haiti que apoiem não os projetos estrangeiros, mas as iniciativas nacionais inspiradas nas necessidades prioritárias da maioria da população haitiana.

Anúncios

Entry filed under: Internacional. Tags: .

08 de Março – Dia Internacional da Mulher. Participe da programação! Os negros e o poder:a importância das candidaturas negras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • Executiva Estadual do PSOL SP aprova entrada do deputado João Paulo Rillo
    A Executiva Estadual do PSOL SP reunida neste sábado, 24.03, na sede do partido aprovou por 13 votos a 1, a entrada do Deputado Estadual João Paulo Rillo no PSOL. Nas redes sociais o deputado Rillo se manifestou em publicação com título Um Novo Caminho, no qual apresenta as razões da saída e um pouco das […]
  • Grande Ato em memória de Marielle Franco nesta terça 20.03 às 17h no Masp
    Marielle vive! Convidamos todas e todos, lutadoras e lutadores para um ato político, cultural e ecumênico na próxima terça, dia 20 de março, no vão livre do MASP – Av.Paulista, a partir das 17h. Será um dia de mobilizações nacionais, para transformar nossa dor e indignação em luta. Não podemos tolerar mais tanta violência. O […]
  • Atos em memória de Marielle Franco pelo estado de São Paulo
    A onda de mobilizações e indignação que tomou conta do Brasil desde ontem, contra o brutal e covarde execução da vereadora do Rio Marielle Franco do PSOL, que além de ser mulher negra, favelada, lésbica e mãe, também fazia de sua atuação uma trincheira de defesa dos direitos, de denúncia dos abusos policiais, da violência […]
  • PSOL SP convoca ato: contra o genocídio, Marielle presente!
    O PSOL SP está em choque com a notícia do assassinato da companheira Marielle Franco. Uma das vereadoras cariocas mais votadas, eleita em 2016, mulher, negra,moradora de favela, ativista dos Direitos Humanos, orgulho do PSOL. Lamentamos também a morte do camarada Anderson Pedro Gomes, que estava dirigindo o carro que foi brutalmente atacado. Transformaremos […]
  • Pela vida das mulheres: direitos e democracia! Dória sai, fica aposentadoria!
    Por Laura Cymbalista e Maria Aparecida Freitas Sales, educadoras da rede municipal de São Paulo e diretoras do SINPEEM. Em greve desde 08 de março! No último 08 de março ocupamos às ruas para combater o machismo, o racismo e a violência. Ocupamos para dizer que nossas vidas e nossos corpos não tem dono. Nem patrões, […]

%d blogueiros gostam disto: