A matança como política na Síria

29 de fevereiro de 2012 at 1:00 pm Deixe um comentário

 

SíriaBachar Al-Assad não quer saber de “primavera árabe” em suas terras. Até aqui, conseguiu fazer isso graças ao poderoso regime policial no qual se apóia, à inoperância das Nações Unidas, à tibieza da Liga Árabe, à hipocrisia da comunidade internacional e ao apoio explícito da Rússia e da China. Pequim e Moscou, que ditam hoje os destinos da Síria, desbarataram o plano de intervenção da Liga Árabe enquanto que a grande maioria dos dirigentes ocidentais parece ter perdido a língua e as boas intenções. O artigo é de Eduardo Febbro.

Eduardo Febbro – Correspondente da Carta Maior em Paris

Os herdeiros do terror seguem o rumo de seus mentores. O presidente sírio Bachar Al-Assad é uma cópia de seu pai, Hafez Al-Assad. Pai autocrata e torturador de seu povo, seus traços e os do regime se refletem no filho que o substituiu na liderança do país em junho de 2000. Ambos sufocaram rebeliões internas arrasando cidades inteiras ante o manso olhar da comunidade internacional. Dois nomes distintos e 30 anos separam o horror de Assad pai e do Assad Filho: Hama para Hazfez Al-Assad, Homs para Bachar. Estas duas cidades sírias, quase fronteiriças, viveram sob o jugo das bombas e da intervenção das forças especiais.
Em fevereiro de 1982, o regime de Hafez Al-Assad enfrentou uma revolta armada na cidade de Hama protagonizada pela Irmandade Muçulmana, o grupo religioso que surgiu no Egito nas primeiras décadas do século XX e cuja influência se expandiu por toda a região. Hafez de Hama um exemplo para aqueles que tivessem a intenção de imitar os habitantes de Hama: quebrou a revolta em duas fases: primeiro mandou bombardear a cidade com armas pesadas e logo depois fez entrar as forças especiais para que limpassem, rua por rua e casa por casa, a insurreição popular. Assassinatos de crianças, violação massiva de mulheres, torturas, saques: o balanço daqueles dias “exemplares” deixou um saldo entre 10 mil e 35 mil mortos.
Três décadas depois, o descendente de Hafez Al-Assad repete a experiência em Homs: bombardeios com artilharia pesada, uso de unidades especiais, morte e destruição, especialmente no bairro de Baba Amro, onde vivem mais de 30 mil pessoas de confissão sunita hoje totalmente cercadas pelos tanques de Bachar Al-Assad. O ditador sírio sequer concedeu ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha a possibilidade de evacuar os feridos. A revolta síria segue o movimento que iniciou no início do ano passado às margens do Mediterrâneo com as explosões populares que derrubaram dinossáuricos poderes na Tunísia, Egito e Líbia. Bachar não quer “primavera árabe” em suas terras.
Ele pode fazer isso graças ao poderoso regime policial no qual se apóia, à inoperância das Nações Unidas, à tibieza da Liga Árabe, à hipocrisia da comunidade internacional e ao apoio explícito da Rússia e da China. Estas duas potências membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas se opõem a qualquer resolução que condene a Síria ou conduza a um apoio a oposição síria (muito dividida) agrupada no Conselho Nacional Sírio. Pequim e Moscou desbarataram o plano de intervenção da Liga Árabe enquanto que a grande maioria dos dirigentes ocidentais parece ter perdido a língua e as boas intenções.
Onde estão agora os salvadores do mundo? O que houve com as vozes de Nicolas Sarkozy, Angela Merkel, o herói das decepções estropiadas, o primeiro ministro britânico e tantos outros que, no ano passado, não duvidaram em usar os aviões e canhões da OTAN para atacar a Líbia e derrubar o coronel Kadafi? Agora que, semana após semana, o regime sírio de Bachar Al-Assad assassina seu povo a portas fechadas em que se converteram todas aquelas ilustres palavras que justificaram que a Líbia recebesse um tapete de bombas.
A pergunta é extensiva aos progressistas do mundo: onde estão as forças de esquerda que se escandalizaram com os bombardeios da OTAN na Líbia e agora parecem emudecidas, como se a moral e os valores valessem em um território e não no outro. A União europeia se limitou a impor um ridículo embargo de armas. Washington, por sua vez, dá a impressão de flutuar em um mar de ignorância e indecisões. No entanto, ninguém pode ignorar o que ocorre: a internet, as redes sociais e os telefones celulares oferecem a cada dia um apavorante desfile de imagens e testemunhos sobre a metodologia da família Assad: governar com o terror e a matança.
A reunião realizada na Tunísia com os “Amigos da Síria”, com a meta de elaborar um marco de ação para conter o regime sírio e pactuar uma transição apenas desenhou um plano para criar hipotéticos corredores humanitários. “Haverá forças opositoras cada vez com mais capacidade”, disse na Tunísia a Secretária de Estado norteamericana Hilary Clinton. A responsável estadunidense esboça assim uma provável entrega de armas à oposição ao regime de Bachar Al-Assad. Mas Moscou e Pequeim se negam a contemplar qualquer ação militar ou fornecimento de armas e se opõem a aprovar qualquer plano de transição que inclua a saída do presidente Bachar Al-Assad.
Para completar a tragédia, ao ONU nomeou o ex-secretário geral das Nações Unidas e prêmio Nobel da Paz em 2011, Kofi Anan, para negociar o fim da violência na Síria e a promoção de uma “solução pacífica” para a crise interna. O ex-secretário geral da ONU tem um passado tão prestigioso quanto maculado por um dos maiores escândalos internacionais que atingiram a ONU: sob seu mandato, a ONU organizou no Iraque o famoso programa “Petróleo por alimentos”. Trata-se de uma trama mafiosa e corrupta na qual estão envolvidos Estados, corporações, ministros ocidentais, bancos, altos funcionários da ONU e até o próprio filho de Anan, Kojo, ligado a uma empresa suíça que fornecia serviços dentro deste plano.
Esse é o mediador da comunidade internacional. O regime sírio mata e se diverte brincando de democracia. Ao mesmo tempo em que promove matanças em Homs, Damasco entrou em um processo de reformas internas cujo eixo é o referendo constitucional de 26 de fevereiro e as eleições legislativas que o seguirão. Mas desde a ditadura do partido Baas instaurada em 1963, a Síria não conheceu nenhuma eleição democrática propriamente dita. A República da Síria está governada pelo partido Baas – que chegou ao poder com um golpe de Estado – cujos responsáveis pertencem quase todos à minoria alauita. Em 2000, Bachar Al-Assad introduziu reformas no sistema político. Levantou a proibição que pesavam sobre alguns partidos e aproveitou a decadência do partido Baas para dar espaço à Frente Nacional Progressista (FNP), onde estão agrupados vários partidos entre os quais figuram alguns que estavam proibidos sob o mandato do pai de Bachar.
Mas a democracia é uma ficção: a grande maioria das decisões é tomada no interior do circulo constituído pelo exército e pelo partido Baas. Em 2000, o Ocidente apostou em Bachar Al-Assad. Viu nele um homem jovem, formado em Londres, um reformista pan-árabe carregado de valores democráticos que ia modernizar um país sufocado pela polícia secreta e pela repressão. A política de matança como princípio orientador demonstra que nada mudou, que a herança paterna persiste e se desenrola com tanta mais impunidade na medida em que as novas cartas da geopolítica mundial mudaram o peso dos atores tradicionais: Pequim e Moscou ditam hoje os destinos da Síria. A história, entretanto, agregou mais um nome à extensa lista de cidades mártires que constituem a memória do horror do poder contra os povos: Homs.

Anúncios

Entry filed under: Internacional. Tags: .

Frei Betto: Preservar a memória Perpetuação da crise ajuda ricos, aponta geógrafo marxista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: