O analfabetismo juvenil e o ensino superior

26 de fevereiro de 2012 at 3:35 pm Deixe um comentário

ESCRITO POR OTAVIANO HELENE

FEVEREIRO DE 2012 – CORREIO DA CIDADANIA

Para saber que nível educacional é o necessário para cada um e para a sociedade como um todo, em um determinado momento histórico e em um determinado país, há que se responder a algumas perguntas. O nível educacional mínimo oferecido para a população permite, a todos, a plena conquista dos direitos de cidadania? Os quadros profissionais formados respondem às necessidades do país? O sistema educacional é um instrumento para superar as desigualdades, objetivo especialmente relevante para países com altos níveis de desigualdades como o nosso, ou está, ao contrário, sendo usado para mantê-las? A evolução da educação formal ao longo do tempo é adequada? O nível educacional médio da população é suficiente para garantir a soberania nacional frente às demais nações?

Vamos examinar esse último ponto, em especial, vamos ver como nos comparamos com os demais países. Não vamos nos estender em análises muito detalhadas. Vamos examinar apenas dois indicadores que revelam o desempenho recente nos dois extremos do sistema educacional, a alfabetização juvenil e a taxa de matrícula no ensino superior. Esses dois indicadores são suficientes para uma avaliação ampla, embora não detalhada, do nosso sistema educacional. Afinal, a alfabetização juvenil reflete o desempenho do sistema educacional em períodos recentes e a taxa de inclusão no ensino superior reflete tanto as possibilidades do país no que diz respeito à formação de uma força de trabalho mais sofisticada como as possibilidades de progressão de um estudante ao longo do sistema educacional. Vamos, também, nos restringir aos países da América do Sul, participantes da mesma realidade geopolítica.

Na tabela aparecem as taxas de alfabetização juvenil e as taxas brutas de matrícula (1) no ensino superior dos países sul-americanos segundo dados sistematizados e divulgados pela Unesco.

O analfabetismo juvenil e o ensino superior

Fonte dos dados: Unesco Institute for Statistics, consultada em fevereiro/2012.

a: 2007; b: 2008; c: 2006; d: 2002; … não há dados recentes disponíveis.

No que diz respeito à alfabetização juvenil, o Brasil ocupa a terceira pior posição entre os países sul-americanos, apenas melhor do que o Peru e o Equador. Devemos observar que esses dois países apresentam realidades populacionais bem diferentes das nossas: entre 20% (Equador) e 45% (Peru) da população desses países falam línguas diferentes, têm hábitos, valores, tradições culturais e atividades econômicas também bastante diferentes daqueles da maioria da população e se concentram, ainda, em regiões específicas do país. Assim, não apenas escolarizá‑los e alfabetizá‑los é mais difícil, como as conseqüências do analfabetismo (como as possibilidades de inserção econômica e social no meio em que vivem) são menos graves (2). O Brasil não tem essas características: nossa população, embora seja uma composição de diferentes povos originários de várias partes do Mundo, com a exceção de cerca de 800 mil indígenas (0,4 % da população e parte deles integrada ao restante da população), fala a mesma língua e tem basicamente os mesmos valores culturais, ou pelo menos não tão diversificados como as populações daqueles outros dois países. Além disso, a porcentagem da população urbana é bem maior no Brasil (82%) do que no Equador (63%) e no Peru (73%) (3), fator que certamente facilita a escolarização. Como praticamente a totalidade da população brasileira está inserida na mesma realidade de produção e relações econômicas, o analfabetismo juvenil entre nós tem conseqüências sociais muito graves: dos jovens analfabetos entre 15 e 24 anos, muitos são analfabetos urbanos, que disputam posições de trabalho com o restante da população, e todos precisam interpretar a mesma realidade.

Quanto aos indicadores quantitativos do ensino superior, estamos em melhor posição, no que diz respeito às taxas de matrícula e entre os países sul‑americanos, apenas do que Guiana, Suriname e Peru. Vale lembrar que Guiana (antiga Guiana Inglesa) e Suriname (antiga Guiana Holandesa) são países cujas independências ocorreram apenas no final do século XX, carregando, assim, uma carga histórica pesada do mesmo tipo daquela carregada pelas ex‑colônias africanas recentemente independentes e que estão entre os países mais pobres do mundo (4). Ainda como comparação, nossa taxa de matrícula no ensino superior, de 36%, é cerca da metade daquelas encontradas na Argentina (71%) ou na Venezuela (78%). Além disso, devemos observar, esses dois últimos países apresentam taxas de privatização do ensino superior menores do que as nossas.

Esse breve balanço mostra que, mesmo comparado com países que ocupam o mesmo espaço geopolítico que nós, nossa situação é bastante preocupante. Evidentemente, uma análise apenas quantitativa é insuficiente para uma visão ampla do problema. Entretanto, os dois índices analisados mostram a dimensão dos problemas que teremos que enfrentar para construir uma real democracia.

Notas:

(1) A taxa bruta de matrícula é a relação entre a população matriculada em um determinado nível educacional, independentemente da idade, e a totalidade da população na idade correspondente àquele nível educacional.

(2) Essas observações não pretendem, evidentemente, minimizar as conseqüências do analfabetismo, mas, sim, estabelecer parâmetros referenciais que permitam comparar países diferentes.

(3) http://www.nationmaster.com/, consultada em fevereiro de 2012

(4) A taxa de alfabetização juvenil do Suriname, relativamente alta, sugere que esse país pode estar enfrentando seu atraso educacional a partir dos níveis iniciais.

Otaviano Helene, professor no Instituto de Física da USP, foi presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Anúncios

Entry filed under: Educação. Tags: .

Um Lar A Qualquer Preço Fraternidade e Saúde pública: um grande desafio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


RSS PSOL São Paulo

  • PSOL ingressa com ação de inconstitucionalidade da lei anti-pichação de Doria
    PSOL INGRESSA COM AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ANTI-PICHAÇÃO DE DÓRIA O PSOL São Paulo ingressou na tarde desta quarta-feira, dia 08 de março, com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo questionando a Lei Municipal n° 16.612/2017, que instituiu o “Programa de Combate às Pichações” na capital. Aprovada pelo […] […]
  • Nota de repúdio à violência policial que reprimiu ato pacífico na USP
    O PSOL repudia a ação da Polícia Militar que reprimiu violentamente uma manifestação pacífica que ocorria hoje, dia 7 de março de 2017, em frente ao prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), em função da pauta bomba que seria discutida no Conselho Universitário (CO). Esta reunião do CO tinha como pauta aprovar […]
  • Projeto de pontos de cultura de São Carlos é interrompido unilateralmente pelo MINC: anúncio de um desmonte estadual em São Paulo
    Por Djalma Nery Com a tendência a entender cultura como entretenimento e eventos pontuais, políticas públicas processuais e de fomento prolongado a determinadas linguagens e manifestações artísticas tem se tornado cada vez mais escassas no orçamento público. As escolhas da atual gestão do Ministério da Cultura apontam para um possível desmonte de políticas p […]
  • A Máquina do Tempo
    Por Manoel Francisco Filho Aprendi com Neil deGrasse Tyson que segundo teoria de Albert Aistein seria possível uma curva no tempo e espaço em algum lugar do Universo, haveria possibilidade de proporcionar um portal para outra dimensão. Nunca fui muito bom em Física, abandonei o curso de Processo de Produção no terceiro semestre, esta ignorância […]
  • Desemprego no Brasil é maior entre negras e negros
    Por Joselicio Junior O estudo feito pelo IBGE, divulgado no último dia 23 de fevereiro, sobre a taxa de desemprego no último trimestre de 2016, demonstram como população negra é a mais atingida nos momentos de crise econômica. Segundo os dados, o ano passado fechou com uma taxa média de desemprego de 12%, porém para […]

%d blogueiros gostam disto: